Bolsa de Lisboa abre semana no ‘verde’ liderada pela Galp

A Galp lidera nos ganhos ao valorizar 2,78% para 11,29 euros, seguida dos CTT, que avançam 1,13% para 3,12 euros, depois de ontem ter sido tornado público que a Tranquilidade do Grupo Generali chegou a acordo com os CTT – Correios de Portugal para a distribuição de seguros de vida e de ramos reais e para a entrada no Banco CTT, através de um aumento de capital de 25 milhões de euros.

A bolsa de Lisboa abriu a primeira sessão da semana em terreno positivo, estando a subir 0,54% para 5.766,05 pontos às 08:10.

A Galp, que lidera nos ganhos, valoriza 2,78% para 11,29 euros, seguida dos CTT, que avançam 1,13% para 3,12 euros, depois de ontem ter sido tornado público que a Tranquilidade do Grupo Generali chegou a acordo com os CTT – Correios de Portugal para a distribuição de seguros de vida e de ramos reais e para a entrada no Banco CTT, através de um aumento de capital de 25 milhões de euros.

O negócio em causa, que foi avançado em primeira-mão pelo Jornal Económico em julho, aguarda apenas a aprovação dos reguladores para se concretizar.

Ainda no sector energético, a Greenvolt valoriza 0,91% para 7,76 euros, a EDP ganha 0,81% para 4,38 euros e a EDP Renováveis avança 0,28% para 21,38 euros.

Por outro lado, o BCP e a NOS negoceiam no ‘vermelho’. O banco liderado por Miguel Maya cai 1,08% para 0,1463 euros e o grupo de comunicações recua 0,41% para 3,85 euros.

O sentimento positivo é transversal às praças europeias. O alemão DAX ganha 0,42% para 13.517,00 pontos e o britânico FTSE ganha 0,11% para 7.339,10 pontos.

No mercado petrolífero, o brent perde 0,77% para 97,81 dólares por barril e o crude recua 0,97% para 91,71 dólares.

Recomendadas

Reserva Fedrela diz que aumento das taxas de juro pode desacelerar em dezembro

O presidente da Reserva-Feral norte-americana, Jerome Powell, considerou esta quarta-feira, ser provável que o aumento das taxas de juro possa desacelerar já em dezembro. Mas os valores vão permanecer altos.

Energia dá impulso à Bolsa de Lisboa. Europa fecha no verde em dia marcado pela inflação

O mercado esperava que a inflação do IPC na zona do euro desacelerasse de 10,6% em Outubro para 10,4% em Novembro (variação anual). A leitura real mostrou uma desaceleração para 10,0% num ano. Os juros soberanos sobem. As ações também.
Comentários