Bolsa de Lisboa cai para o ‘vermelho’ com Galp a perder mais de 3%

Já as principais bolsas europeias estão quase todas no ‘verde’, com o DAX (Alemanha) a ganhar 0,91%, o CAC 40 (França) a subir 0,42%, e o FTSE 100 (Reino Unido) a valorizar 0,16%, enquanto o IBEX 35 (Espanha) perde 0,04%.

A Bolsa de Lisboa (PSI) encontra-se a meio da sessão desta terça-feira no ‘vermelho’, a desvalorizar 0,25%, para 5.989,64 pontos, com apenas a Galp a perder mais de 3%.

A Galp lidera nas perdas, a desvalorizar 3,10%, com as suas ações a valerem 10,95 euros, seguida da EDP Renováveis, que perde 0,75% para os 23,93 euros, enquanto a REN cai 0,38% para os 2,635 euros. A EDP também está a desvalorizar 0,04%, com as suas ações a valerem 4,80 euros.

A Semapa lidera nos ganhos, a valorizar 1,45%, com as suas ações a valerem 13,96 euros, seguida da Greenvolt, que ganha 1,21% para os 9,23 euros, enquanto o BCP sobe 1,10% para os 0,1476 euros. A Jerónimo Martins também está a valorizar 0,45%, com as suas ações a valerem 22,14 euros.

Já as principais bolsas europeias estão quase todas no ‘verde’, com o DAX (Alemanha) a ganhar 0,91%, o CAC 40 (França) a subir 0,42%, e o FTSE 100 (Reino Unido) a valorizar 0,16%, enquanto o IBEX 35 (Espanha) perde 0,04%.

O analista de mercados do Millenium BCP, Ramiro Loureiro, destaca que a manhã teve alguma volatilidade nas praças europeias, que experimentaram ganhos e perdas, enquanto se avalia o impacto da crise de energia que está a levar vários governos a adotarem medidas de apoio aos consumidores para limitarem o impacto na sua fatura.

Ramiro Loureiro sublinha que ontem em Portugal o primeiro-ministro António Costa anunciou um plano de apoio social, que inclui uma redução de IVA nas contas de eletricidade (de 13% para 6%) em consumos até 100kwh mensais e potencias contratadas inferiores a 6,9kVA. No Reino Unido a primeira-ministra Liz Truss traçou planos para fixar as contas anuais de eletricidade e gás no nível atual ou abaixo das 1.971 libras. Numa reversão de política, a Alemanha decidiu manter duas centrais nucleares disponíveis neste inverno, de forma a atenuar os efeitos do corte de energia russa.

“Os investidores continuam focados na inflação e nas decisões dos bancos centrais e por isso é natural que neste momento já haja holofotes voltados para o BCE na próxima quinta-feira, com o mercado a atribuir elevada probabilidade de aumento de 75 pontos base na taxa de juro diretora para a Zona Euro”, frisa.

“No plano macro chegou a indicação de que as encomendas às fábricas alemãs contraíram mais do que o esperado em julho. No seio empresarial de notar o bom desempenho das empresas de serviços de entrega de refeições, após notas de Research positivas”, realça ainda.

O preço do barril de petróleo está a desvalorizar, com o brent a perder 3,07% para os 92,80 dólares e o crude a cair 0,46% para os 86,47 dólares.

No mercado cambial, o euro está a ter uma valorização de 0,03% face ao dólar, para os 0,9929 dólares.

[Atualizada às 12h13]

Recomendadas

PSI segue sessão no ‘vermelho’. BCP, REN e EDP Renováveis caem mais de 2%

Lá fora, as principais praças europeias também negociaram no ‘vermelho’. O CAC 40 perde 0,12%, o DAX cai 0,15%, o IBEX 35 recua 0,70% e FTSE 100 desvaloriza 0,66%.

Euro cai para novo mínimo de 20 anos depois de viragem à direita em Itália

“A União Europeia (UE) e a zona euro estão numa situação difícil: não só a Europa está a sofrer uma verdadeira crise energética, mas agora a direita em Itália está também a registar uma vitória histórica”, disse o economista-chefe do VP do Banco Thomas Gitzel, citado pela Efe, que acrescenta que o veredicto dos mercados financeiros sobre o assunto é claro.

Euribor sobem a três e 12 meses para novos máximos e mantêm-se a seis meses

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno positivo em 6 de junho, manteve-se hoje em 1,803%, um máximo desde setembro de 2011.
Comentários