Bolsa de Lisboa encerra no ‘vermelho’. BCP tomba mais de 5%

Lá fora, o sentimento também foi negativo, com as principais bolsas europeias a encerrar no ‘vermelho’. O DAX (Alemanha) decresceu 1,59%, o FTSE 100 (Reino Unido) desvalorizou 1,17%, o IBEX 35 (Espanha) desceu 1,59% e o CAC 40 (França) recuou 1,39%.

A Bolsa de Lisboa (PSI) fechou esta terça-feira no ‘vermelho’, com uma descida 0,91%, para os 6.025,52 pontos e com o BCP a liderar nas perdas.

O BCP fechou a tombar 5,69% para os 0,1442 euros, seguido da Greenvolt, que desceu 2,14% para os 9,14 euros, e dos CTT, que recuaram 1,92% para os 3,32 euros. A Galp também encerra a perder, desvalorizando 1,26% para os 10,59 euros. A EDP registou uma ligeira quebra, de 0,08% para os 25,14 euros.

No verde fecharam três cotadas: a Semapa valorizou 0,29% para os 14,06 euros, seguida da Mota-Engil, que avançou 0,49% para os 1,220 euros, e da Jerónimo Martins, avançando 0,70 para os 23,10 euros.

Lá fora, o sentimento também foi negativo, com as principais bolsas europeias a encerrar no ‘vermelho’. O DAX (Alemanha) decresceu 1,59%, o FTSE 100 (Reino Unido) desvalorizou 1,17%, o IBEX 35 (Espanha) desceu 1,59% e o CAC 40 (França) recuou 1,39%.

No mercado petrolífero, o brent está a recuar 1,77% para os 92,25 dólares. O crude está a desvalorizar 1,28% para os 86,66 dólares.

Quanto ao mercado cambial, o euro está a ter uma desvalorização face ao dólar, com uma descida de 1,19%, para os 0,9999 dólares.

Notícia em atualização

Recomendadas

PremiumReserva Federal penaliza mercados

A postura mais ‘hawkish’ do que o esperado do banco central norte-americano empurra os mercados para perto de mínimos do ano.

Wall Street encerra semana com principais índices a perder mais de 1,50%

O Dow Jones encerrou o dia a ceder 1,62% para 29.590,41 pontos, o S&P500 a perder 1,67% para 3.695,10 pontos e o tecnológico Nasdaq a recuar 1,80% para 10.867,93 pontos.

Euro e libra recuam para mínimos de décadas face ao dólar

O euro e a libra terminaram hoje a semana a recuar para mínimos de décadas face ao dólar, com as moedas europeias pressionadas por receios de recessão e o dólar a beneficiar do estatuto de ativo seguro.
Comentários