Bolsa de Lisboa fecha a valorizar num dia positivo para congéneres europeias

A sessão desta segunda-feira foi amplamente positiva, já que todas as cotadas do PSI fecharam em território positivo. A Galp ganhou 3,42% para os 10,72 euros, seguida da Jerónimo Martins, que subiu 3,05% para os 22,94 euros, e da NOS, que avançou 2,48% para os 3,64 euros.

A Bolsa de Lisboa (PSI) fechou esta segunda-feira no ‘verde’, com uma subida da de 1,58%, para os 6.080,75 pontos e com a Galp a manter-se na liderança, numa sessão que viu todas as cotadas a encerrar a valorizar.

A Galp ganhou 3,42% para os 10,72 euros, seguida da Jerónimo Martins, que subiu 3,05% para os 22,94 euros, e da NOS, que avançou 2,48% para os 3,64 euros.

A sessão desta segunda-feira foi amplamente positiva, já que todas as cotadas do PSI fecharam em território positivo. O BCP fechou a valorizar 0,99% para os 0,1529 euros, bem como a EDP, que ganhou 0,16% para os 25,16 euros.

Destaque ainda para os ganhos da Greenvolt, no dia em a empresa fecha um acordo para fornecer energia verde à BA Glass, empresa localizada na Polónia, durante 15 anos. A empresa fechou a ganhar 1,52% para os 9,34 euros.
Lá fora, o sentimento também é positivo, com as principais bolsas europeias a encerrar no ‘verde’. O DAX (Alemanha) cresceu 2,39%, o FTSE 100 (Reino Unido) valorizou 1,69%, o IBEX 35 (Espanha) subiu 2,01% e o CAC 40 (França) avançou 1,95%.

No mercado petrolífero, o brent está a avançar 2,02% para os 94,72 dólares. O crude está a valorizar 1,90% para os 88,44 dólares.

Quanto ao mercado cambial, o euro está a ter uma valorização face ao dólar, com uma subida de 0,89%, para os 1,0129 dólares.

 

 

 

Recomendadas

PSI segue sessão no ‘vermelho’. BCP, REN e EDP Renováveis caem mais de 2%

Lá fora, as principais praças europeias também negociaram no ‘vermelho’. O CAC 40 perde 0,12%, o DAX cai 0,15%, o IBEX 35 recua 0,70% e FTSE 100 desvaloriza 0,66%.

Euro cai para novo mínimo de 20 anos depois de viragem à direita em Itália

“A União Europeia (UE) e a zona euro estão numa situação difícil: não só a Europa está a sofrer uma verdadeira crise energética, mas agora a direita em Itália está também a registar uma vitória histórica”, disse o economista-chefe do VP do Banco Thomas Gitzel, citado pela Efe, que acrescenta que o veredicto dos mercados financeiros sobre o assunto é claro.

Euribor sobem a três e 12 meses para novos máximos e mantêm-se a seis meses

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno positivo em 6 de junho, manteve-se hoje em 1,803%, um máximo desde setembro de 2011.
Comentários