Bolsa de Lisboa fecha em queda arrastada pela EDP Renováveis numa Europa mista

O tombo da bolsa deve-se em grande parte à queda das ações da EDP Renováveis. As ações caíram -2,19% para 21,39 euros no dia em que foi noticiado que ganhou o leilão para contruir um parque eólico “offshore” de grande escala ao largo da Califórnia.

O PSI caiu 0,93% para 5.745,57 pontos, neste dia de feriado católico que celebra a Imaculada Conceição.

O tombo da bolsa deve-se em grande parte à queda das ações da EDP Renováveis. As ações caíram -2,19% para 21,39 euros no dia em que foi noticiado que ganhou o leilão para contruir um parque eólico “offshore” de grande escala ao largo da Califórnia. A Ocean Winds, empresa conjunta da EDP Renováveis e da Engie, venceu um dos lotes a concurso para o desenvolvimento de novos parques eólicos no mar ao largo da Califórnia, podendo vir a instalar até 2 gigawatts.

A EDP acompanhou com uma queda de -0,83% para 4,55 euros.

A Altri perdeu -1,03% para 5,31 euros e a NOS perdeu -1,06% para 3,74 euros. Também a Mota-Engil se destacou com uma queda de -0,98% para 1,212 euros. Destaque ainda para os CTT que recuaram -0,78% para 3,19 euros e o BCP que desvalorizou -0,75% para 0,1454 euros.

Só quatro títulos do PSI fecharam no verde. O destaque vai para a Greenvolt que subiu +1,12% para 8,15 euros. A Navigator avançou +0,77% para 3,67 euros; a Galp valorizou +0,26% para 11,67 euros e a Corticeira Amorim subiu +0,11% para 8,83 euros.

Na Europa, e segundo a análise da MTrader, as bolsas europeias foram oscilando entre território de alta e de baixa ao longo da sessão e acabaram por encerrar divididas entre os ganhos ligeiros do DAX e as perdas de 0,9% do PSI.

O EuroStoxx 50 fechou ligeiramente positivo (+0,01% para 3.921,3 pontos). Já o vasto Stoxx 600 caiu 0,12%.

O CAC recuou 0,20% para 6.647,3 pontos; o FTSE 100 perdeu 0,23% para 7.472,2 pontos; o FTSE MIB fechou em queda de 0,14% para 24.207,4 pontos e o IBEX perdeu 0,79% para 8.225,2 pontos.

No verde fechou o alemão DAX que subiu 0,02% para 14.264,6 pontos.

Em termos de notícias destaque para a decisão da Comissão Europeia que propôs hoje que os operadores ativos em plataformas, como a Uber e a Airbnb, passem a cobrar o IVA e a entregar posteriormente o valor do imposto ao fisco.

“O índice nacional foi arrastado pelo destacamento do dividendo da Navigator, bem como pelas quedas superiores a 1% de EDPR, NOS e Altri. A boa notícia do dia foi para o alívio das restrições pandémicas na China, onde Hong Kong poderá mesmo descartar o uso obrigatório de máscaras na rua. O efeito foi visível no setor de Recursos Naturais e no Tecnológico, setor que estava igualmente animado em Wall Street, com o Nasdaq 100 a valorizar mais de 1%. As listagens chinesas em Nova Iorque estão entre as mais animadas”, refere a análise da MTrader.

O petróleo Brent cai 0,04% para 77,14 dólares o barril.

O euro segue em alta de 0,43% para 1,0551 dólares.

O mercado secundário de dívida pública tem os juros alemães a 10 anos a dispararem 3,72 pontos base para 1,81%. Portugal agrava os juros 6,83 pontos base para 2,73%, tal como Espanha que vê os juros subirem 6,35 pontos base para 2,82%. Itália com juros a dispararem 8,79 pontos base para 3,69% e a Grécia com escalada de 14,94 pontos base para 3,83%.

O pessimismo quanto a eventual recessão nos EUA pode explicar esta subida do risco.

Recomendadas

Bolsa de Lisboa fecha sessão no ‘verde’ com BCP a liderar ganhos

As principais bolsas europeias terminaram divididas, com o DAX (Alemanha) e o CAC 40 (França) a registarem valorizações de 0,01%, enquanto o FTSE 100 (Reino Unido) perdeu 0,16% e o IBEX 35 (Espanha) depreciou 0,15%.

Wall Street arranca sessão com todos os índices no ‘verde’

A bolsa de Nova Iorque iniciou a sessão com sinais positivos nos três principais índices, apesar da queda das ações da McDonald’s.

Gestora de fundos dos EUA alerta para iminência de uma catástrofe nos mercados

A crescente dívida mundial, que não para de crescer, pode acabar num desastre financeiro de proporções mais devastadoras que o crash de 1929. A dívida “é a maior bomba-relógio de sempre da história financeira”.
Comentários