Bolsa de Lisboa fecha no ‘verde’. Greenvolt ganhou mais de 3%

Praça lisboeta fechou a sessão desta terça-feira, 8 de novembro, a valorizar 0,09%, para 5 770,42 pontos.

O principal índice bolsista português, PSI, fechou a sessão desta terça-feira, 8 de novembro, a valorizar 0,09%, para 5 770,42 pontos.

A fazer subir o PSI estiveram entre as principais cotadas portuguesas a Greenvolt que cresceu 3,42%, para 8,16 euros, a EDP Renováveis que impulsionou 1,46%, para 21,50 euros e os CTT que valorizaram 1,43%, para 3,20 euros.

Encerraram também a sessão em terreno positivo a EDP, que subiu 0,69%, para 4,38 euros, a Sonae, que aumentou 0,10%, para 0,99 euros, a construtora Mota-Engil, que ganhou 0,81%, para 1,25 euros e a Semapa, que valorizou 2,94%, para 13,30 euros.

A negociar com sinal ‘vermelho’ no fecho da sessão ficaram o BCP, que caiu 0,14% para 0,14 euros, a Jerónimo Martins, que desceu 0,10%, para 20,86 euros, a petrolífera Galp, que depreciou 1,65%, para 11,05 euros e a Corticeira Amorim, que tombou 4,93%, para 8,88 euros.

“As praças europeias encerram em alta, à medida que os investidores centram as suas atenções para as eleições intercalares nos EUA, onde é esperado que os Republicanos ganhem a maioria na Câmara dos Representantes, sendo que o desfecho no Senado continua incerto”, refere o analista de mercados do Millenium investment banking, Ramiro Loureiro.

Na Alemanha, o DAX cresceu 1,16%, no Reino Unido, o FTSE 100 subiu 0,16%, o francês CAC 40 valorizou 0,39%. Em Espanha, o IBEX35 aumentou 0,48% e em Itália o FTSE MIB ganhou 0,87%.

No mercado petrolífero, a cotação do barril de Brent desvaloriza 0,73% para 97,20 dólares, enquanto a cotação do crude WTI desce 1,03%, para 90,81 dólares por barril.

No mercado cambial, o euro valoriza 0,66%, para 1,00 dólares.

Recomendadas

Barril de petróleo russo limitado a 60 dólares após acordo entre G7 e Austrália

Após acordo alcançado pela União Europeia, os países do G7, juntamente com Austrália, concordam com um limite de preço de 60 dólares por barril para o petróleo russo. Moscovo repete que não aceita.

Redução da produção de petróleo? “Necessária e correta”, diz OPEP+

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e os seus aliados (OPEP+) decidiu este domingo continuar a aplicar um corte na produção de petróleo em 2023, uma medida que defendeu ser “necessária e correta”.

PremiumMercados somam e seguem

Índices acionistas encerram em alta em novembro, somando segundo ganho mensal consecutivo.
Comentários