Bolsa de Lisboa inicia semana no ‘verde’ em linha com praças europeias

O índice alemão DAX avança 0,43% para 14.285,43 pontos, o britânico FTSE sobe 0,67% para 7.367,20 pontos, o espanhol IBEX valoriza 0,36% para 8.127,60 pontos e o francês CAC ganha 0,29% para 6.613,97 pontos.

O PSI iniciou a primeira sessão da semana no ‘verde’, estando a subir 0,46% para 5.766,32 pontos às 08:05h, numa manhã de ganhos nas praças europeias.

Entre as cotadas com desempenho positivo, a Jerónimo Martins lidera nos ganhos, subindo 1,29%  para 20,46 euros, seguida dos CTT, que avançam 0,91% para 3,33 euros, e da Galp, que sobe 0,44% para 11,36 euros.

A família EDP segue uma tendência mista, estando a holding a ganhar 0,23% para 4,41 euros e a EDP Renováveis, por outro lado, a cair 0,41% para 21,90 euros.

Em contraciclo estão também a Greenvolt, a NOS e a Semapa, que recuam 0,12% para 8,19 euros, 0,36% para 3,86 euros e 0,14% para 13,88 euros, respetivamente.

O índice alemão DAX avança 0,43% para 14.285,43 pontos, o britânico FTSE sobe 0,67% para 7.367,20 pontos, o espanhol IBEX valoriza 0,36% para 8.127,60 pontos e o francês CAC ganha 0,29% para 6.613,97 pontos.

No mercado petrolífero, a poucas horas da divulgação do relatório mensal da OPEP, o brent ganha 0,19% para 96,17 dólares por barril e o crude avança 0,15% para 89,09 dólares.

Em atualização

Recomendadas

Novabase suspende programa de recompra de ações

A tecnológica já tinha suspendido o programa em junho, tendo depois voltado a retomá-lo. Segundo informação publicada nessa altura, o programa estava previsto durar até 31 de dezembro de 2023.

Encarnado toma conta de Wall Street no fecho da sessão

Mesmo as ações da Taiwan Semiconductor Manufacturing, que negoceia no Dow Jones, caíram mais de 3% apesar de a empresa ter anunciado um investimento de 40 mil milhões de dólares no Arizona, o maior de sempre neste estado norte-americano.

Europa fecha em queda e PSI não é exceção. Juros soberanos em queda

As bolsas europeias fecharam em queda influenciadas pelos indicadores do Estados Unidos que sugerem maior agressividade na subida dos juros do outro lado do Atlântico.
Comentários