Bolsa de Lisboa mantém-se no ‘vermelho’ com Corticeira Amorim a perder quase 5%

Já as principais bolsas europeias estão quase todas no ‘verde’, com o DAX (Alemanha) a ganhar 0,39%, o IBEX 35 (Espanha) a valorizar 0,29%, o FTSE 100 (Reino Unido) a avançar 0,04%, enquanto o CAC 40 (França) perde 0,03%.

A Bolsa de Lisboa encontra-se a meio da sessão desta terça-feira em terreno negativo, a desvalorizar 0,19% para 5.754,52 pontos, com a Corticeira Amorim a perder quase 5%.

A Corticeira Amorim lidera nas perdas, a desvalorizar 4,82%, com as suas ações a valerem 8,89 euros, seguida da Galp, que perde 1,56% para os 11,06 euros, enquanto a Altri desvaloriza 0,94% para os 5,79 euros. O BCP também está a cair 0,62% para os 0,1451 euros.

A Semapa lidera nos ganhos, valorizando 3,56%, com as suas ações nos 13,38 euros, seguida da Greenvolt, que ganha 2,03% para os 8,04 euros, enquanto a EDP cresce 0,74% para os 4,38 euros.

Os CTT e a Jerónimo Martins mantêm as suas ações inalteradas nos 3,15 euros e nos 20,88 euros, respetivamente.

Já as principais bolsas europeias estão quase todas no ‘verde’, com o DAX (Alemanha) a ganhar 0,39%, o IBEX 35 (Espanha) a valorizar 0,29%, o FTSE 100 (Reino Unido) a avançar 0,04%, enquanto o CAC 40 (França) perde 0,03%.

O analista de mercados do Millenium BCP, Ramiro  Loureiro, destaca que os principais índices de ações europeus oscilam entre território de alta e de baixa ao longo da manhã e seguem agora entre os leves ganhos do DAX e IBEX e as quedas ligeiras do CAC e PSI.

No índice nacional, a Corticeira Amorim tomba cerca de 5% depois dos resultados terem mostrado arrefecimento no negócio, enquanto a Galp acompanha o ambiente negativo do sector energético, no dia em que os preços do petróleo estão em queda, aponta.

“No exterior destaque para fabricantes de semicondutores, depois de ASML e BE Semiconductor terem sido consideradas top picks pelo Morgan Stanley. Já a Bayer mostra-se condicionada após apresentação de contas”, refere.

O analista frisa que de forma geral os investidores estão a avaliar a situação da pandemia na China, de onde tão depressa surgem sinais de possível alívio de restrições pandémicas como dados que revelam que o número de casos Covid continua a aumentar desfazendo o otimismo entre os investidores que esperavam uma reabertura do país.

“A centrar atenções estão ainda as eleições intercalares nos EUA, que poderão influenciar o sentimento. É natural que o mercado esteja já a aguardar pelos dados de evolução da inflação nos Estados Unidos, pelo seu impacto nas decisões de subida de taxas de juro pela Fed, mas que chegam apenas quinta-feira, o que poderá levar à adoção de uma atitude mais cautelosa até que sejam conhecidos”, conclui.

O preço do barril de petróleo está a desvalorizar, com o brent a perder 0,57% para os 97,36 dólares e o crude a recuar 0,86% para os 91 dólares.

No mercado cambial, o euro está a ter uma desvalorização de 0,22% face ao dólar, para os 0,9997 euros.

Recomendadas

Wall Street encerra no ‘vermelho’ contrariando ‘verde’ da Europa

O petróleo está a ser negociado em alta. O brent valoriza 0,74% para os 76,71 dólares e o crude sobe 0,10% para os 71,53 dólares.

PremiumPreço do petróleo caiu 45% desde máximo depois de invasão da Ucrânia

Apesar do embargo e do teto à Rússia, os preços do petróleo bateram mínimos anuais em três dias consecutivos esta semana.

Embargo europeu ao petróleo russo: o que esperar? Veja os gráficos da semana no “Mercados em Ação”

Veja os destaques na rubrica “Gráficos da Semana”, da responsabilidade de Marco Silva, consultor de estratégia e investimento, no programa que contou com a análise de Mário Martins, administrador da ActivTrades Brasil.
Comentários