Bolsa de Lisboa segue no ‘verde’ com Mota Engil a valorizar quase 5%

As principais bolsas europeias seguem quase todas em terreno positivo, com o DAX (Alemanha) a valorizar 0,35%, o CAC 40 (França) a ganhar 0,29% e o FTSE 100 (Reino Unido) a apreciar 0,20%. Já o IBEX 35 (Espanha) segue em contra-corrente, e perde 0,06%.

A Bolsa de Lisboa encontra-se a meio da sessão desta segunda-feira em terreno positivo, valorizando 0,35% para 6.052,47 pontos.

A Mota Engil lidera nos ganhos, a valorizar 4,75%, com as suas ações a valerem 1,368 euros, seguida da NOS, que avança 0,96% para os 4,01 euros, enquanto a Sonae ganha 0,87% para os 0,9895 euros.

O BCP também está no ‘verde’, valorizando 0,74% para os 0,1909 euros e a Galp ganha 0,58% para os 12,94 euros.

A EDP Renováveis lidera nas perdas, a desvalorizar 0,23%, com as suas ações a valerem 21,61 euros, seguida da Jerónimo Martins, que perde 0,20% para os 20,34 euros, enquanto a REN cai 0,20% para os 2,550 euros. A EDP também está a perder 0,06%, com as suas ações nos 4,83 euros.

Os CTT mantêm as suas ações inalteradas, nos 3,23 euros.

As principais bolsas europeias seguem quase todas em terreno positivo, com o DAX (Alemanha) a valorizar 0,35%, o CAC 40 (França) a ganhar 0,29% e o FTSE 100 (Reino Unido) a apreciar 0,20%. Já o IBEX 35 (Espanha) segue em contra-corrente, e perde 0,06%.

O analista de mercados do Millenium BCP, Ramiro Loureiro, destaca que as principais bolsas europeias seguem ligeiramente positivas na sua generalidade, num dia em que Wall Street estará encerrada devido a feriado nos Estados Unidos, e, por isso, no plano macroeconómico não se esperam dados muito relevantes para os mercados acionistas.

“O sector de Imobiliário lidera os ganhos, prolongando o otimismo com que iniciou o ano, contando já com uma valorização de quase 13% em 2023. Já o de Viagens & Lazer é o que mais recua, penalizado por Flutter Entertainment e Kindred Group”, aponta.

O sector de Recursos Naturais segue-se também nas perdas, salienta Ramiro Loureiro, penalizado pela divulgação de que a China irá aumentar a regulação do mercado de minério de ferro, depois da recente valorização da matéria-prima para níveis já não vistos desde junho do ano passado, devido à reabertura económica daquela que é a segunda maior economia do mundo.

No seio empresarial, o analista destaca as empresas de entregas de refeições, como Just Eat Takeaway e a Hellofresh, que recuam 3,5% e 5,5% respetivamente, penalizadas pelo ceticismo do BNP Paribas para o sector.

O preço do barril de petróleo está a desvalorizar, com o brent a perder 0,32% para os 85,01 dólares e o crude a desvalorizar 0,52% para os 79,69 dólares.

No mercado cambial, o euro deprecia 0,02% face ao dólar, para os 1,0826 euros.

Recomendadas

Sector energético pressiona PSI. Lisboa abre no ‘vermelho’

A EDP Renováveis e a Greenvolt são as cotadas a perder mais terreno, recuando mais de 1% na abertura da última sessão da semana.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta sexta-feira

Os índices de gestores de compras para a zona euro e Reino Unido são divulgados no dia a seguir a nova subida dos juros na economia britânica, que destoa da tendência menos negativa do que o temido no resto o continente e parece mesmo estar em recessão.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.
Comentários