Bolsa de Tóquio alcança máximo dos últimos sete anos

A bolsa de Tóquio encerrou a sessão acima dos 17.000 pontos pela primeira vez nos últimos sete anos devido à depreciação do iene face ao dólar e à possibilidade de o governo adiar nova subida de impostos em 2015. O índice Nikkei da Bolsa de Tóquio encerrou com uma subida 343,58 pontos, ou 2,05%, e […]

A bolsa de Tóquio encerrou a sessão acima dos 17.000 pontos pela primeira vez nos últimos sete anos devido à depreciação do iene face ao dólar e à possibilidade de o governo adiar nova subida de impostos em 2015.

O índice Nikkei da Bolsa de Tóquio encerrou com uma subida 343,58 pontos, ou 2,05%, e fixou-se nas 17.124,11 unidades, enquanto o segundo indicador, o Topix, que agrupa os valores da primeira secção, avançou 15,10 pontos, ou 1,11%, até aos 1.375,21 pontos.

O mercado financeiro de Tóquio tinha aberto em alta em linha com os ganhos registados na véspera em Wall Street, e com a reação positiva à decisão anunciada na segunda-feira de que Pequim vai permitir um maior acesso dos investidores às bolsas de Xangai e Hong Kong, indicaram analistas locais citados pela agência Efe.

Durante a sessão da tarde, os investidores animaram ainda mais devido a especulações da imprensa japonesa sobre a possível decisão do primeiro-ministro nipónico, Shinzo Abe, de dissolver o parlamento e convocar eleições antecipadas, o que adiaria a nova subida de impostos planeada pelo Executivo.

Depois de subir o imposto sobre o consumo de 5 para 8%, em abril, o Governo tinha previsto um novo aumento até 10% para 2015, embora muitos economistas tenham questionado a medida no atual contexto de abrandamento do crescimento económico japonês.

OJE/Lusa

Recomendadas

Mercado Automóvel em Portugal cai 34,7% até setembro

Apesar do mercado automóvel ter caído entre janeiro e setembro, foram matriculados mais 12,8% automóveis no mês passado do que em período homólogo de 2021.

Medidas de apoio à inflação agravam endividamento das empresas e dinâmica inflacionista, alerta Fórum para a Competitividade

O think-tank critica as opções do Governo para o apoio a famílias e empresas face à subida generalizada de preços, sugerindo, ao invés, que haja uma dispensa do pagamento por conta no IRC, que o Estado pague as suas dívidas a fornecedores e que se acelere o investimento.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.