Bolsa portuguesa regista o quarto pior desempenho do mundo em 2014

O PSI20 fechou o ano a cair 26,84% para 4.798,99 pontos, a quarta pior prestação a nível mundial do ano, além de ter perdido duas das suas cotadas, o BES e o Espírito Santo Financial Group (ESFG). Além dos dois títulos que deixaram de ser negociados no principal índice da praça lisboeta (PSI20), após o […]

O PSI20 fechou o ano a cair 26,84% para 4.798,99 pontos, a quarta pior prestação a nível mundial do ano, além de ter perdido duas das suas cotadas, o BES e o Espírito Santo Financial Group (ESFG).

Além dos dois títulos que deixaram de ser negociados no principal índice da praça lisboeta (PSI20), após o colapso do império Espírito Santo – o ESFG era o maior acionista do Banco Espírito Santo (BES) – o ano de 2014 foi negro para uma série de cotadas que perderam grande parte do seu valor, com a Portugal Telecom (PT) à cabeça.

A operadora de telecomunicações liderou a lista de desvalorizações ao baixar 73% em 2014, seguida pelo BCP, que caiu 61%, e pelo Banif, que regrediu 46%.

Seguiu-se-lhes a Jerónimo Martins, um dos pesos pesados do mercado português, que desceu 42% em apenas 12 meses.

A Mota-Engil caiu 39%, a Galp Energia (outro dos títulos com maior peso sobre o PSI20) desvalorizou 29% e a Impresa recuou 28%.

A Teixeira Duarte e o Banco BPI também registaram quedas significativas, com a construtora a perder 20% e a entidade liderada por Fernado Ulrich a cair 16%.

Com quedas mais suaves, e a fechar o lote de descidas, estão a NOS (-3%) e a Sonae (-2%).

Quem escapou às perdas foram os CTT, que avançaram 43% e lideraram os ganhos na bolsa portuguesa, seguidos de perto pela EDP Renováveis que cresceu 40% e pela Semapa que subiu 23%.

Já a EDP, um dos pesos pesados do PSI20, progrediu 21% e impediu uma desvalorização superior do PSI20.

A fechar a lista dos títulos que valorizaram em 2014 surgem a Altri (11%), a REN (8%) e a Portucel (6%).

Em termos de índices, a nível global, o melhor desempenho coube à praça chinesa de Shangai, que cresceu 49%, seguida pela Venezuela (41%) e pelo Paquistão (34%).

Do lado negativo, o pódio foi composto pela Rússia, que caiu 45%, pela Ucrânia, que baixou 41%, e pela Grécia, que recuou 38%. Depois da Grécia surge o índice português, que caiu 27%.

Em Portugal, após o fraco desempenho de 2014, os especialistas esperam que o novo ano traga uma onda positiva.

“Após um ano ‘horribilis’ a tendência será de recuperação, à medida que o Banco Central Europeu (BCE) intervém nos mercados de dívida e que o setor financeiro demonstra mais solidez”, antecipou à agência Lusa Pedro Lino, presidente da Dif Brokers.

“A bolsa e a economia deverão ser impulsionadas pelo consumo, se o preço do petróleo se mantiver nestes níveis, com benefício para as distribuidoras. No entanto, a volatilidade estará presente à medida que as eleições se forem aproximando”, anteviu.

Segundo o responsável, em Portugal, “os setores em destaque deverão ser o financeiro, com a venda do Novo Banco a marcar a agenda, e a distribuição, já que o consumo interno deve registar a maior subida dos últimos cinco anos”.

Porém, caso haja uma estabilização do preço do petróleo, o especialista prevê que haja uma recuperação nas ações ligadas ao setor energético.

Quanto aos grandes temas que vão marcar o andamento dos mercados em 2015, Pedro Lino apontou para as intervenções do BCE, a subida das taxas de juro nos Estados Unidos (EUA), as eleições nos países europeus periféricos – Portugal incluído -, para além dos riscos geopolíticos que “vão continuar a assombrar a recuperação europeia”.

OJE/Lusa

Recomendadas

Leão vê PIB a crescer acima de 6% este ano e desaceleração em 2023

O antigo ministro das Finanças João Leão acredita que o crescimento do PIB português poderá superar 6% este ano, mas aponta para uma desaceleração em 2023, com uma estagnação ou mesmo recessão na zona euro, defendendo uma estratégia prudente.

Respostas Rápidas: como pode aceder ao complemento solidário para idosos ou outras pensões?

A propósito do Dia Internacional do Idoso e dado o envelhecimento cada vez maior da sociedade portuguesa, importa compreender como podem os contribuintes aceder a vários apoios disponibilizados pela Segurança Social.

Preços do gás e da eletricidade para as famílias sobem a partir de hoje

Os aumentos de preços do gás natural e da eletricidade para os clientes domésticos, no mercado regulado e no liberalizado, entram hoje em vigor, o que, em alguns casos, vai pesar quase mais 40 euros na fatura mensal.