Bolsas europeias amanhecem com perdas. Jerónimo Martins e Pharol contrariam tendência

A Galp Energia perde 1,85%, para 13,81 euros, destacando-se na liderança desvalorizações.

Lucas Jackson/Reuters

A bolsa portuguesa começou a sessão desta terça-feira, dia 18 de dezembro, em terreno negativo. O principal índice português, PSI 20, recuava 0,68%, para 4.698,36 pontos cerca de 15 minutos após o arranque da sessão, penalizada pelo contexto europeu e pela queda de quase todas as cotadas.

“As incertezas ligadas ao Brexit, às relações entre Roma e Bruxelas e a instabilidade social em França minam o sentimento dos investidores globais em relação à Europa. O facto de a exposição destes investidores à Europa ser bastante inferior ao normal faz com que o potencial de venda seja menor do que no passado. Por um lado, os gestores globais sentem-se pouco tentados a expor-se à Europa, mas por outro lado também não têm tantas ações europeias para venderem como no passado”, clarificam os analistas do CaixaBank/BPI Research.

A Galp Energia perde 1,85%, para 13,81 euros, destacando-se na liderança desvalorizações. Ainda no setor energético, cai também a EDP – Energias de Portugal (-0,76%) e a REN – Redes Energéticas Nacionais (0,82%). A EDP Renováveis desliza 0,52%, para 13,81 euros, depois de anunciar que vendeu uma participação de 13,5% de projetos eólicos ‘offshore’ em França a duas empresas do grupo industrial japonês Sumitomo, de acordo com a informação publicada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, antes da abertura do mercado.

A ‘vermelho’ estão também títulos como: BCP (-0,51%), as empresas da pasta e do papel – Altri (-0,91%), Semapa (-0,63%) e Navigator (-1,11%) – e a retalhista Sonae (-0,25%), esta última ainda marcada pelo facto de a Sonae MC ter concluído a operação de venda e posterior arrendamento (‘sale and leaseback’) da propriedade (terreno e infraestrutura) onde opera o hipermercado Continente, localizado no Centro Comercial Rio Sul Shopping, no Seixal.

Em contraciclo, com ganhos, está a Jerónimo Martins, que sobe os ligeiros 0,30%, para 10,17 euros, e a Sonae Capital, que avança 0,33%, para 0,90 euros, e parece ignorar o desânimo do retalho a nível europeu. Em causa está o facto de ontem a britânica Asos ter tombado 38% depois de ter feito um profit warning a alertar que quer as vendas quer os lucros serão inferiores ao que havia sido referido. O pessimismo alastrou-se à sueca H&M (-9%).

Quanto às principais praças da Europa, o índice alemão DAX perde 0,97%, o britânico FTSE 100 desliza 0,51%, o francês CAC 40 desvaloriza 0,39%, o italiano FTSE MIB está em linha d’água (+0,01%), o espanhol IBEX 35 perde 0,22% e o holandês AEX recua 0,84%. O Euro Stoxx desliza 0,27%.

Relacionadas

Dezembro de Wall Street é o pior em 14 meses

Wall Street derrapou para mínimos de 14 meses com os investidores a ordenarem ordens de venda com as notícias sobre a subida das taxas de juro, que deverá ser anunciada esta quarta-feira. Petróleo em queda livre.

Onda negativa varre bolsas europeias. Lisboa cai mais de 1%

Pela terceira sessão consecutiva o índice lisboeta caiu. Hoje Lisboa acompanhou as principais praças europeias, mas liderando nas quedas. O petróleo cai e os juros melhoram.
Recomendadas

Cotação do barril Brent para entrega em novembro baixa para 87,96 dólares

A cotação do barril de petróleo Brent para entrega em novembro terminou esta sexta-feira no mercado de futuros de Londres em baixa de 0,73%, para os 87,96 dólares.

Wall Street encerra sessão com principais índices a perder mais de 1,50%

No momento de fecho o Dow Jones recua 1,71%para 28.725,84 pontos, o S&P 500 cede 1,51% para 3.585,40 pontos e o tecnológico Nasdaq desvaloriza 1,51% para 10.575,62 pontos. 

PremiumAções com pior mês desde junho e pode não ficar por aqui

Libra em forte desvalorização e juros da dívida do Reino Unido disparam após polémico “mini-orçamento” de Liz Truss.
Comentários