Bolsas aplaudem subida de juros nos EUA

O PSI 20, principal índice da bolsa portuguesa, negoceia em alta pelo terceiro dia consecutivo, em linha com o optimismo dominante nas congéneres europeias.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Os mercados do velho continente respondem com ganhos na casa dos 2% à decisão da Reserva Federal norte americana de subir os juros, o que não acontecia há sete anos.

Em Lisboa, o índice sobe 1,08% para 5.270,12 pontos, impulsionado essencialmente pelo setor da energia e pela retalhista Jerónimo Martins.

Numa manhã em que o petróleo negoceia em queda ligeira nos mercados internacionais, a Galp Energia soma 1,2% para 10,125 euros. Por seu turno, a EDP aprecia 1,46% para 3,123 euros e a EDP Renováveis sobe 0,28% para 6,77 euros.

Destaque igualmente para a retalhista Jerónimo Martins, que negoceia a subir 1,57% e para o setor da banca, todo ele a valorizar, com o Banif à cabeça, com uma subida de 7,14% para 0,15 cêntimos.

OJE

Recomendadas

Novabase suspende programa de recompra de ações

A tecnológica já tinha suspendido o programa em junho, tendo depois voltado a retomá-lo. Segundo informação publicada nessa altura, o programa estava previsto durar até 31 de dezembro de 2023.

Encarnado toma conta de Wall Street no fecho da sessão

Mesmo as ações da Taiwan Semiconductor Manufacturing, que negoceia no Dow Jones, caíram mais de 3% apesar de a empresa ter anunciado um investimento de 40 mil milhões de dólares no Arizona, o maior de sempre neste estado norte-americano.

Europa fecha em queda e PSI não é exceção. Juros soberanos em queda

As bolsas europeias fecharam em queda influenciadas pelos indicadores do Estados Unidos que sugerem maior agressividade na subida dos juros do outro lado do Atlântico.