Bolsas europeias em alta, à espera da reunião do BCE

As bolsas na Europa estão hoje a negociar em alta, depois de duas sessões consecutivas de perdas e com os investidores à espera da reunião do Banco Central Europeu (BCE). Pelas 08h25 em Lisboa, o Euro Stoxx avançava 0,27% para 3.240,63 pontos, com as principais praças europeias a oscilarem entre a subida de 0,65% de […]

As bolsas na Europa estão hoje a negociar em alta, depois de duas sessões consecutivas de perdas e com os investidores à espera da reunião do Banco Central Europeu (BCE).

Pelas 08h25 em Lisboa, o Euro Stoxx avançava 0,27% para 3.240,63 pontos, com as principais praças europeias a oscilarem entre a subida de 0,65% de Londres e o ganho de 0,06% de Madrid.

Milão, por sua vez, subia 0,30%, enquanto Frankfurt recuperava 0,07% e Paris avançava 0,55%, num dia em que há alguma escassez de indicadores macroeconómicos relevantes.

A perspetiva de o Banco Central Europeu (BCE) poder sinalizar, na reunião desta semana, que irá adquirir dívida soberana, além da especulação de que o Banco da China poderá vir a aplicar novas medidas de estímulo à economia e as boas notícias sobre no setor da energia, deverão, segundo os analistas, prender a atenção hoje dos investidores nos mercados europeus.

Na Europa será igualmente conhecido em Espanha o número de desempregados relativo a novembro e o índice de preços no produtor (IPP) da zona euro.

OJE/Lusa

Recomendadas

PremiumReserva Federal penaliza mercados

A postura mais ‘hawkish’ do que o esperado do banco central norte-americano empurra os mercados para perto de mínimos do ano.

Wall Street encerra semana com principais índices a perder mais de 1,50%

O Dow Jones encerrou o dia a ceder 1,62% para 29.590,41 pontos, o S&P500 a perder 1,67% para 3.695,10 pontos e o tecnológico Nasdaq a recuar 1,80% para 10.867,93 pontos.

Euro e libra recuam para mínimos de décadas face ao dólar

O euro e a libra terminaram hoje a semana a recuar para mínimos de décadas face ao dólar, com as moedas europeias pressionadas por receios de recessão e o dólar a beneficiar do estatuto de ativo seguro.