Bolsas europeias fecham com ganhos. Grupo EDP anima Lisboa

As ações da EDP Renováveis dispararam quase 3% depois de a empresa ter concluído a aquisição de negócio de renováveis da Viesgo por 565 milhões de euros. O BCP esteve igualmente entre as cotadas em destaque. Na Europa, só Londres destoou.

Simon Dawson/Reuters

As bolsas europeias encerraram a sessão desta quinta-feira em terreno positivo, num dia em que o Conselho da União Europeia deu ‘luz verde’ ao Quadro Financeiro Plurianual para 2021-2017, de 1,09 biliões de euros, e pôs fim ao processo legislativo necessário para que os fundos sejam disponibilizados a partir do próximo dia 1 de janeiro. O principal índice português, PSI-20, não foi exceção e fechou as negociações com uma subida de 0,61% para os 4.825,53 pontos.

O grupo EDP está em destaque depois de ter concluído dois importantes negócios. A EDP – Energias de Portugal subiu 1,05% para 4,90 euros na sequência de ter anunciado o término da operação de venda de seis barragens no Douro ao consórcio liderado pela francesa Engie por 2,2 mil milhões de euros

Já a EDP Renováveis disparou 2,88% para 20,35 euros por ter ontem concluído a aquisição de negócio de renováveis da Viesgo por 565 milhões de euros. A transação inclui a aquisição de 100% da carteira de 0,5 Gigawatts de capacidade renovável instalada em Portugal (16%) e Espanha (84%).

As ações do BCP avançaram 1,12% para 13 cêntimos.

No resto da Europa, o sentimento é igualmente otimista, menos em Londres. O índice alemão DAX subiu 0,87%, o espanhol IBEX 35 somou 0,23%, o francês CAC 40 valorizou 0,03%, o italiano FTSE MIB ganhou 0,12% e o holandês AEX avançou 0,47%. Só o britânico FTSE 100 perdeu 0,35%. O Euro Stoxx 50 ficou marcado por uma valorização de 0,52%.

“Os investidores mostram-se animados com os estímulos económicos, depois de os líderes da União Europeia terem libertado o pacote de estímulo de 1,8 biliões de euros. Ontem nas decisões de política monetária da Fed o presidente Jerome Powell deu uma nota de otimismo ao referir que vai manter o programa de compra de títulos até que um progresso «substancial» seja visto no emprego e na inflação nos EUA”, recorda Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp.

“A vacina/tratamento contra a Covid-19 está a avançar ainda mais rápido do que o esperado e as expectativas para a evolução da economia melhoram. Quer isto dizer, que a Covid-19 foi um choque para o mundo, mas temporário, tal como estimámos. 2021 continuará a ser um ano bom para as bolsas”, garantem os analistas do Bankinter, em research.

A marcar a sessão de hoje estiveram ainda as criptomoedas, com a mais famosa – bitcoin – a atingir um recorde de 23 mil dólares, depois de ontem ter conseguido ultrapassar a barreira dos 20 mil dólares pela primeira vez ontem. A bitcoin encontra-se a negociar com uma subida superior a 13%, enquanto a ethereum ganha mais de 7% e litecoin salta 20%.

“O sentimento otimista em relação aos cripto-ativos pode ser justificado pelo elevado interesse de grandes empresas em Wall Street que estão a começar a adotar criptomoedas. O diretor de investimentos da Guggenheim Investments, um grande gestor de ativos, chegou a dizer que a Bitcoin pode subir para lá dos 400 mil dólares”, destacam os analistas da XTB.

O valor do ‘ouro negro’ está a subir. O preço do petróleo WTI, produzido no Texas, avança 0,77% para os 48,19 dólares por barril, enquanto a cotação do barril de Brent está a valorizar 0,49% para os 51,33 dólares.

Quanto ao mercado cambial, o euro valoriza 0,43% face ao dólar, para 1,2249 dólares, e a libra esterlina sobe 0,71% face à moeda dos Estados Unidos, para 1,3603 dólares.

Recomendadas

‘Green bonds’. EDP avança com nova emissão de 500 milhões

Em menos de 24 horas, a EDP anuncia que vai aos mercados buscar mil milhões para financiar projetos de energias renováveis.

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.

“A Reserva Federal tem corrido atrás do prejuízo”. Veja o “Mercados em Ação”

A Fed reuniu de emergência na segunda-feira. Esta semana no “Mercados em Ação”, o subdiretor do JE, André Cabrita-Mendes, juntamente com Marco Silva, consultor de estratégia e investimento, e Nuno Sousa Pereira, da Sixty Degrees, analisam os efeitos das próximas decisões do banco central norte-americano.
Comentários