Bolsas europeias negoceiam mistas aguardando próxima reunião da Fed

Na quarta-feira, Wall Street encerrou com o índice Standard & Poor’s a cair 0,19% para 3.933,92 pontos, enquanto o Nasdaq perdia 0,51% para 10.958,55 pontos e o Dow Jones Industrial mantinha-se inalterado nos 33.597,92 pontos.

As bolsas europeias estão hoje a negociar em terreno misto, com os investidores a aguardarem a reunião da Reserva Federal na próxima semana onde é esperada uma subida das taxas de juro.

Pelas 08:15 horas de Lisboa, Londres subia 0,07%, Paris avançava 0,014%, Frankfurt recuava 0,57%, Madrid valorizava 0,30% e Milão perdia 0,10%.

Na quarta-feira, Wall Street encerrou com o índice Standard & Poor’s a cair 0,19% para 3.933,92 pontos, enquanto o Nasdaq perdia 0,51% para 10.958,55 pontos e o Dow Jones Industrial mantinha-se inalterado nos 33.597,92 pontos.

A bolsa de Tóquio fechou hoje a perder, seguindo o comportamento de Wall Street, na véspera, com os investidores a aguardarem pela reunião da Fed na próxima semana.

No entanto, os analistas consultados pela agência financeira Bloomberg temem que os aumentos dos juros de referência nos Estados Unidos se mantenham ao longo do tempo e possam levar a economia norte-americana para uma recessão.

Para hoje é esperado pelos investidores, nos Estados Unidos, o anúncio dos dados sobre os subsídios de desempregos no país.

Entretanto, o euro sofreu uma pequena alteração cotando-se a 1,0515 dólares, enquanto o rendimento dos títulos do Tesouro norte-americano a 10 anos aumentou três pontos base para 3,45% e o petróleo bruto West Texas Intermediate subiu 1,7%, para 73,21 dólares o barril.

Recomendadas

Bolsa de Lisboa fecha sessão no ‘verde’ com BCP a liderar ganhos

As principais bolsas europeias terminaram divididas, com o DAX (Alemanha) e o CAC 40 (França) a registarem valorizações de 0,01%, enquanto o FTSE 100 (Reino Unido) perdeu 0,16% e o IBEX 35 (Espanha) depreciou 0,15%.

Wall Street arranca sessão com todos os índices no ‘verde’

A bolsa de Nova Iorque iniciou a sessão com sinais positivos nos três principais índices, apesar da queda das ações da McDonald’s.

Gestora de fundos dos EUA alerta para iminência de uma catástrofe nos mercados

A crescente dívida mundial, que não para de crescer, pode acabar num desastre financeiro de proporções mais devastadoras que o crash de 1929. A dívida “é a maior bomba-relógio de sempre da história financeira”.
Comentários