Bolsas nos EUA fecham em alta, contagiadas pelos preços do crude

O acordo dos produtores para cortar a produção levou os preços do crude à sétima sessão de ganhos, suportando os índices em Wall Street.

Os índices accionistas em Wall Street retomaram a negociação após o Natal com volumes reduzidos, mas com os ânimos em alta devido às subidas nos preços do crude.

O Nasdaq fechou a subir 0,46% para 5.487,44, tendo mesmo chegado a tocar num novo máximo ‘intraday’ nos 5.512,37. Este índice tecnológico beneficiou de  um subida de 0,63% nas ações da gigante Apple. O S&P ganhou 0,22%, enquanto o Dow Jones avançou uns ligeiros 0,06% para 19.945,04 pontos.

Os preços do petróleo acumulam já sete sessões de ganhos, com os investidores convencidos que o acordo entre os membros da OPEP e outros países produtores para cortar a produção vai mesmo reduzir o excesso de oferta no mercado. As cotações do barril de Brent e o de Crude ganham perto de 1,6% para 56,78 dólares e 53,85 dólares, respectivamente.

A apoiarem os índices norte-americanos estiveram ainda dados macroeconómicos positivos. A confiança dos consumidores subiu para máximos de mais de 15 anos, com ânimo sobre o clima económico e os mercados accionistas e de trabalho. O índice de confiança subiu para 113,7 este mês de 109,4 em novembro, e bem acima de uma estimativa média de 109 numa sondagem da Reuters.

No mercado imobiliário, o índice S&P CoreLogic Case-Shiller que mede preços em 20 cidades americanas, subiu 5,1% em outubro, em termos homólogos, face a 5% no mês anterior, e em linha com as estimativas.

 

Relacionadas

Wall Street sobe com crude e Nasdaq em recorde apoiado pela Apple

Preços do petróleo sobem pelo sétimo dia seguido e animam mercados acionistas. Apple sobe quase 1% e leva Nasdaq a novo máximo.

Índices em Wall Street fecham pouco alterados antes da pausa para o Natal

Investidores não quiseram tomar riscos antes da quadra festiva. Bolsas americanas vão estar fechadas na segunda-feira.
Recomendadas

Bolsa de Lisboa inicia sessão em terreno negativo

Na quarta-feira, o PSI fechou a descer 0,22%, para 5.852,78 pontos, em linha com o resto da Europa.

Wall Street fecha instável em face da provável recessão

A indefinição está a marcar a economia interna dos Estados Unidos. sabe-se que haverá uma recessão, mas os seus contornos em termos de profundidade e duração não são claros. E o mercado mobiliário parece não gostar disso.

Há quem queira fugir à regulação do mercado criptoativo, alerta responsável europeia

A regulação deverá chegar no espaço de um ano, diz a comissária europeia para os serviços financeiros. Mas há ‘players’ do mercado que escolhem deliberadamente jogar contra as regras, avisa. A abordagem deve ser “global”.
Comentários