Bolsonaro quer garantir por decreto direito à posse de armas de fogo

O presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, anunciou este sábado que pretende garantir, por decreto, o direito à posse de armas de fogo a pessoas sem antecedentes criminais.

“Por decreto pretendemos garantir a posse de arma de fogo para o cidadão sem antecedentes criminais, bem como tornar seu registo definitivo”, lê-se numa publicação feita hoje na conta oficial de Jair Bolsonaro, na rede social Twitter.

O direito de posse de armas de fogo permite aos cidadãos tê-las em casa, mas não que as levem para outros locais, para os quais, de acordo com a legislação, é necessária uma autorização especial.

Jair Bolsonaro, capitão do exército na reserva e que sempre elogiou a ditadura militar que governou o Brasil entre 1964 e 1985, considera que uma arma é “uma garantia de liberdade”, porque garante o direito a legítima defesa e, por isso, prometeu, durante a campanha eleitoral, flexibilizar o estatuto de posse de arma, caso fosse eleito presidente.
O atual estatuto de posse de arma no Brasil permite a compra de armas a pessoas maiores de 25 anos, sem antecedentes criminais, sempre e quando tenham passado num teste psicológico, a que são submetidos, e caso justifiquem o motivo.

De acordo com a Organização Não Governamental (ONG) Sou de Paz, o registo de novas armas por parte de civis aumentou dez vezes desde 2004, no Brasil, tendo chegado no ano passado a 33.031.

Por isso, a flexibilização do estatuto de posse de arma é um tema que preocupa aquela organização, já que pode tornar-se numa “catástrofe para a segurança pública” de um país em que, só no ano passado, morreram mais de 60 mil pessoas vítimas de violência.

Jair Bolsonaro toma posse na terça-feira, dia 1, como 38.º Presidente do Brasil. Além de defensor da ditadura militar que governou o Brasil entre 1964 e 1985, ao longo da carreira e também da campanha eleitoral, o político fez declarações públicas consideradas machistas, racistas, homofóbicas e de apologia à violência.

A ditadura militar do Brasil foi uma das mais violentas da América Latina, nas décadas de 1960/1980, pelas violações dos direitos humanos, com casos de morte, desaparecimento, tortura e abuso sexual, entre outros crimes, documentados pela Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, e nos relatórios da Comissão Nacional da Verdade e das diversas Comissões Estaduais da Verdade, instituídas nos país, nos anos de democracia.

Relacionadas

Saiba como será a tomada de posse de Jair Bolsonaro

A cerimónia de posse Jair Bolsonaro, que se tornará na terça-feira o 38.º Presidente do Brasil, deverá reunir meio milhão de pessoas em Brasília.

Marcelo Rebelo de Sousa vai estar presente na tomada de posse de Bolsonaro

A cerimónia está agendada para o primeiro dia de 2019, em Brasília.
Recomendadas

Chefes da diplomacia da Rússia e da Guiné Equatorial reuniram-se

Os dois ministros salientaram a importância crucial da segunda Cimeira Rússia-África, a realizar em São Petersburgo em 2023, para o reforço das diversas relações da Federação Russa com nações africanas, adianta-se no comunicado.

Cancelados dois concertos de Roger Waters na Polónia devido a posicionamento pró-russo

O co-fundados dos Pink Floyd iria atuar em Cracóvia em abril do próximo ano, na sala de espetáculos “Tauron Arena”, mas, segundo adiantam alguns meios de comunicação da Polónia, as autoridades polacas pretendem declarar Roger Waters como ‘persona non grata’.

Protestos no Irão: Ministério dos Negócios Estrangeiros convoca embaixadores britânico e norueguês

Mahsa Amini, 22 anos, foi detida na terça-feira passada pela chamada “polícia de moralidade” de Teerão, capital do Irão, onde se encontrava de visita, por alegadamente trazer o véu de forma incorreta e transferida para uma esquadra com o objetivo de assistir a “uma hora de reeducação”.
Comentários