Bolt fecha ronda de investimento de 150 milhões de euros

O investimento foi encabeçado pela sociedade de capital de risco norte-americana D1 Capital Partners, fundada em 2018 pelo investidor de Wall Street Daniel Sundheim.

Em plena segunda vaga da pandemia em toda a Europa, a startup da Estónia que desenvolveu uma rede on-demand para transportar pessoas e, mais recentemente, refeições em carros, scooters e bicicletas fechou a sua maior ronda de investimento de sempre.

A Bolt informou esta quarta-feira que fechou uma ronda de financiamento de 150 milhões de euros para continuar a reforçar a qualidade e segurança dos seus serviços de mobilidade nos mercados nos quais opera, aumentar o número de serviços e investir na micromobilidade e na entrega de alimentos na Europa e em África.

O investimento foi encabeçado pela norte-americana D1 Capital Partners, a sociedade de capital de risco fundada em 2018 pelo investidor de Wall Street Daniel Sundheim que conta com participações em gigantes tecnológicas como a Netflix, a Facebook, a Google, a Disney ou a Microsoft. A ronda de investimento contou ainda com a participação da Darsana Capital Partners, de Nova Iorque.

“Em 2021, vamos fortalecer o nosso compromisso para sermos líderes da indústria em segurança e qualidade da plataforma. Por isso, continuamos a planear lançar soluções ainda mais inovadoras, como a verificação da cara do condutor e a monitorização automática da viagem, através da utilização de sistemas que permitam prevenir potenciais incidentes e assegurar aos nossos clientes um serviço de grande qualidade”, anunciou o CEO e cofundador da Bolt, Markus Villig.

Recentemente, no início de dezembro, a Bolt lançou uma trotinete elétrica de quarta geração, 100% desenvolvida por uma equipa interna da empresa, composta por sensores com capacidade para detetar padrões de condução inseguros. “Apesar dos efeitos da pandemia de Covid-19, a Bolt assistiu a um grande crescimento no último ano. Quase duplicámos o nosso número de clientes e lançámos os nossos serviços, desde o ride-hailing até à micromobilidade e entrega de alimentos em 50 novas cidades, uma delas Lisboa”, lembra o diretor executivo, em comunicado.

A Bolt contabiliza cerca de 50 milhões de utilizadores globais, estando presente em mais de 200 cidades em 40 países. O Bolt Food, lançado em Portugal no passado mês de outubro, está hoje disponível em 16 países e 33 cidades.

Relacionadas

Bolt Portugal: “Acreditamos que as crises trazem também espaço a novas oportunidades de negócio”

Entre carros, bicicletas elétricos, trotinetes e agora estafetas de mala às costas, a Bolt abriu horizontes e expandiu o seu modelo de negócios. Entre o serviço de passageiros e o transporte de alimentos, qual o balanço de 2020 e o futuro para 2021 na Bolt?

Bolt investe 100 milhões de euros para se tornar maior empresa de micromobilidade da Europa

Lisboa, cidade onde a Bolt tem uma grande participação, vai receber 100 novas bicicletas elétricas, totalizando mais de 300 bicicletas e 400 trotinetes elétricas em circulação nas ruas da capital portuguesa.
Recomendadas

Prémio “João Vasconcelos – Empreendedor do ano 2022” atribuído aos fundadores da Coverflex

O prémio de “Empreendedor do Ano” foi entregue pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, e por Bernardo Correia, ‘country manager’ da Google Portugal, entidade parceira desta edição.

Empresa aeronáutica prevê 6 milhões para começar a produzir aviões em Cabo Verde

“Venho elaborando este projeto já há dois anos, criei a empresa Aeronáutica Checo-Cabo-verdiana, empresa que irá produzir os aviões da Orlican e Air Craft Industries em Cabo Verde”, afirma Mónica Sofia Duarte.

BPI e FCT financiam 20 projetos e nove ideias para o desenvolvimento sustentável no Interior

A edição de 2022 do Programa Promove, uma iniciativa da Fundação “la Caixa”, em colaboração com o BPI e em parceria com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), concedeu apoios a fundo perdido de perto de 3,6 milhões a um total de 20 projetos e nove ideias destinados a impulsionar o desenvolvimento sustentável de regiões do interior de Portugal.
Comentários