Boris Johnson promete “apoio fervoroso” a sucessora Liz Truss (com áudio)

O líder britânico, que anunciou sua intenção de deixar o cargo há dois meses, vai encontrar-se com a rainha no final da manhã.

epa09598991 Britain’s Prime Minister Boris Johnson attends a bilateral meeting with President of Israel Isaac Herzog (not pictured) at 10 Downing Street in London, Britain, 23 November 2021. EPA/NEIL HALL / POOL

O primeiro-ministro britânico cessante, Boris Johnson, prometeu hoje “apoio fervoroso” ao Governo da sucessora Liz Truss no discurso de despedida à porta da residência em Downing Street, neste “momento difícil para a economia”.

Antes da partida para o Castelo de Balmoral, na Escócia, onde vai apresentar formalmente a demissão à rainha Isabel II, Johnson falou perante dezenas de assessores, membros do Governo e também de uma multidão de câmaras fotográficas e de televisão.

“Vou dar a este Governo nada mais do que o mais apoio fervoroso. Este é um momento difícil para a economia, para as famílias de todo o país, mas nós podemos e vamos sair disto mais fortes”, afirmou.

Aos colegas conservadores, disse que “o tempo para a política acabou e está na altura de apoiar a equipa e programa de Liz Truss e ajudar as pessoas deste país, porque é isso que as pessoas querem”.

“Sobre o tema de saltos para carreiras futuras, deixem-me dizer que sou agora como um daqueles foguetes impulsionadores que cumpriu a sua função. Vou agora reentrar suavemente na atmosfera e mergulhar invisivelmente num canto remoto e obscuro do Pacífico”, disse.

O líder britânico, que anunciou sua intenção de deixar o cargo há dois meses, vai encontrar-se com a rainha no final da manhã.

Truss, que foi nomeada líder do partido conservador no poder na segunda-feira, será indigitada primeira-ministra durante uma outra audiência com a rainha pouco tempo depois.

No regresso a Londres, fará um discurso também em Downing Street, pelas 16:00, antes de começar a formar um novo Governo.

Recomendadas

Líbano. Crise política não abranda: Parlamento não consegue eleger presidente

Beirute não tem um governo em funcionamento desde maio e o atual primeiro-ministro, Najib Mikati, não tem legitimidade suficiente. Acentuando a crise política – paralela à económica – não foi possível ao Parlamento eleger o presidente do país.

Hungria insiste na entrada da Turquia na União Europeia

O presidente do Parlamento turco, Mustafa Şentop, encontrou-se com o seu homólogo húngaro Laszlo Kover em Budapeste. A União não quer a Turquia no sei seio, mas a questão sérvia pode mudar tudo.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.
Comentários