Boris Johnson teme que nova variante da Covid-19 seja “70% mais contagiosa”

O Governo britânico deu uma conferência de imprensa a anunciar medidas de confinamento, admitindo que a nova variante da Covid-19 é muito mais contagiosa. O “The New York Times” lançou um ‘breaking news’ com este alerta.

A nova variante de Covid-19 detetada no Reino Unido “pode ser 70% mais contagiosa”, teme o primeiro britânico, Boris Johnson, embora durante uma conferência de imprensa tenha admitido que “ainda há muito que não se sabe”, pois “não há provas que sugiram que é mais letal”, “nem que a vacina seja menos eficaz contra esta variante”. O “The New York Times” num breaking news divulgado este sábado, às 17h16 de Lisboa, noticiou que o Reino Unido vai impor um lockdown rigoroso em Londres e na região circundante, alarmado pelo que “os investigadores laboratoriais explicam ser uma variante do vírus Covid-19 de rápido contágio”.

“Não existem provas de que a nova variante cause uma doença mais grave ou apresente casos de mortalidade mais elevados, mas parece que passa entre as pessoas muito mais rapidamente”, diz Boris Johnson, admitindo que pode ser “70% mais contagiosa”. “Já conhecemos o suficiente para saber que temos que agir”, refere, informando que serão adotadas novas restrições na região de Londres, bem como no sudeste de Inglaterra. Esta nova variante do vírus que foi detetada maioritariamente na região de Londres e no sudeste de Inglaterra, poderá estar já a circular numa parte significativa do território britânico.

Sem haver indicações científicas muito precisas, há referências a que esta variante do Covid-19 pode ser diferente em 23 pontos, o que inclui a sua estrutura ao nível da proteína que o vírus cria e à forma como se agarra às células, segundo referem especialistas britânicos.

A nova variante foi inicialmente identificada a meio de setembro e novamente confirmada a meio de novembro, em Kent, tendo alastrado a 28% dos casos confirmados em Londres e no sudeste de Inglaterra. Na semana de 9 de dezembro, já havia mais de 60% dos casos de Covid-19 com esta nova variante, que rapidamente parece estar a assumir a variante dominante nos contágios confirmados em Inglaterra, referiu Patrick Vallance, o principal conselheiro do Governo britânico para a Covid-19.

Por isso foram anunciadas novas restrições para Londres e outras zonas do Reino Unido pelo primeiro-ministro Boris Johnson que vão entrar em vigor a partir de domingo, dia 20 de dezembro, e deverão manter-se pelo menos até 30 de dezembro e eventualmente também durante a passagem do ano. Os habitantes de Londres terão de permanecer confinados em casa e os estabelecimentos comerciais não essenciais terão de fechar.

Recomendadas

Covid-19: China anula várias medidas de prevenção e sinaliza fim da estratégia ‘zero casos’ (com áudio)

O Conselho de Estado (Executivo) anunciou que quem testar positivo para o vírus pode, a partir de agora, cumprir isolamento em casa, em vez de ser enviado para instalações designadas, muitas vezes em condições degradantes.

Covid-19: Pandemia provocou mais 300 mil mortes na UE do que as oficiais, diz OCDE

“No final de outubro de 2022, mais de 1,1 milhões de mortes de covid-19 foram reportadas em todos os 27 países da UE, mas os dados sobre o excesso de mortalidade sugerem que se trata de uma subestimativa e que mais 300 mil pessoas morreram devido ao efeito direto ou indireto da pandemia”, refere o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e da Comissão Europeia (CE).

Covid-19: Problemas de saúde mental aumentaram na Europa, sobretudo nos jovens

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) explica no relatório comparativo da situação de saúde na Europa que, enquanto em 2019 a percentagem de jovens entre 15 e 24 anos com sintomas de depressão era de 6%, contra 7% nos adultos, com o coronavírus os números aumentaram em todos os países para os quais existem dados.
Comentários