Bosch investe na produção de bombas de calor em Aveiro e cria 300 postos de trabalho

Até agora a Bosch Aveiro produzia a unidade interior – designada de IDU – para as bombas de calor de ar e água numa única linha de produção. Com a nova linha de produção “passará também a produzir a unidade exterior da bomba de calor (a ODU)”.

A Bosch anunciou esta terça-feira o reforço da unidade de termotecnologia em Aveiro, com a instalação da linha de produção de bombas de calor, num investimento total de 12 milhões de euros e a criação de 300 postos de trabalho.

A nova linha de produção de bombas de calor “significa um investimento total de 12 milhões de euros realizados em duas fases distintas, e a criação de cerca de 300 postos de trabalho”, refere a Bosch, em comunicado.

Em 04 de maio, na conferência de imprensa de resultados do grupo alemão, o presidente do Conselho de Administração da Bosch, Stefan Hartung, tinha anunciado que grupo iria começar “com as bombas de calor em Portugal este ano”.

No comunicado, a Bosch salienta que “a instalação desta nova linha de produção de bombas de calor vai ao encontro da estratégia de transição energética da empresa e da aposta do grupo na área da termotecnologia”.

Esta “é uma excelente notícia não só para a nossa unidade de Aveiro, como também para região e até mesmo para a economia do país. Estamos a falar em mais capacidade de produção, mais postos de trabalho, e sobretudo do facto da Bosch em Aveiro assumir cada vez mais um papel preponderante naquele que é o futuro das soluções de aquecimento e da termotecnologia”, afirma Jónio Reis, administrador da Bosch em Aveiro, citado em comunicado.

Até agora a Bosch Aveiro produzia a unidade interior – designada de IDU – para as bombas de calor de ar e água numa única linha de produção. Com a nova linha de produção “passará também a produzir a unidade exterior da bomba de calor (a ODU)”, adianta a empresa, salientando que “a previsão é que a produção arranque já no próximo ano, durante o primeiro semestre de 2023, com o objetivo de chegar às 150 mil unidades anuais, mas com a perspetiva de que esse número aumente a médio prazo para as 400 mil unidades”.

A Bosch refere que “o aumento significativo da procura deste produto e as previsões otimistas para o futuro, a curto e médio prazo, conduziram já à implementação de exigentes medidas na atual linha de produção em Aveiro, nomeadamente a duplicação da capacidade de produção através de investimento em equipamentos adicionais, de forma a responder à previsão de vendas de 37 mil unidades já para este ano, um crescimento de 131% em relação a 2021, e ainda na implementação de uma segunda linha de montagem para a produção da IDU da nova família de bombas de calor, com data de lançamento prevista para o último trimestre deste ano, cuja capacidade para produção é de aproximadamente 60 mil unidades por ano”.

Estes investimentos, bem como o aumento da capacidade de produção e do número de colaboradores “é um evidente sinal da aposta da Bosch em Aveiro e significa que esta localização se torna numa das principais para a produção e desenvolvimento de bombas de calor dentro do grupo Bosch”, sublinha Jónio Reis.

A médio prazo, acrescenta o administrador, a previsão é de quase duplicar a faturação.

“Além disso, não nos podemos esquecer que a produção aliada à aposta em I&D destas soluções se irá traduzir na contratação de perfis altamente especializados, tudo isto com impacto direto não só nos resultados da unidade Aveiro, como também na dinamização da economia e na atração de talentos de toda a região”, salienta o administrador da Bosch Aveiro.

Na apresentação dos resultados anuais de 2021, o grupo anunciou um investimento de mais de 300 milhões de euros no negócio de bombas de calor até meados da década.

Recomendadas

Altri dá 25 ações da GreenVolt por cada 100 títulos e 24 cêntimos em dinheiro

A Altri fez uma retificação em baixa ao valor que pagará em numerário. “Adicionalmente à distribuição em espécie, serão distribuídos aos acionistas da Altri dividendos em numerário ilíquido por ação de 0,24 euros”, diz em comunicado.

Farminveste SGPS emite 3 milhões de obrigações convertíveis

Durante a operação, que termina a 1 de julho, serão emitidas para compra e/ou troca até três milhões de obrigações, com o custo unitário de cinco euros, sendo as mesmas remuneradas a um juro anual de 4,75%.

Acionistas da Novabase aprovam redução de capital para 33 milhões para cobrir prejuízos

Os acionistas da Novabase aprovaram a redução do capital da tecnológica de 54,6 milhões de euros para perto de 33 milhões de euros, para cobrir prejuízos e libertar excesso de capital, de acordo com um comunicado enviado ao mercado.
Comentários