Boston Consulting Group apresenta 30 soluções para ajudar a responder à crise alimentar

Estima-se que 1,7 mil milhões de pessoas possam sofrer um aumento severo de insegurança alimentar e, de acordo com o Instituto Internacional de Política Alimentar, a Rússia e a Ucrânia representam cerca de 12% do total de calorias alimentares comercializadas em todo o mundo.

A perturbação causada pelo conflito da Ucrânia com a Rússia, “tem despoletado uma incapacidade por parte dos sistemas alimentares de armazenarem e distribuírem de forma segura e equitativa alimentos suficientes, bem como os produtos necessários para os produzir”.

Por esse motivo, a Boston Consulting Group (BCG) lançou um relatório intitulado “The War in Ukraine and the Rush to Feed the World”, que explora em detalhe os múltiplos impactos diretos e indiretos deste conflito e apresenta 30 soluções a curto e médio prazo para ajudar a responder à crise e a melhorar a
resiliência dos sistemas alimentares globais.

“A capacidade dos sistemas alimentares globais para abastecer o mundo em tempos de crise estão a ser testados. Estima-se que 1,7 mil milhões de pessoas – a maioria delas em economias em desenvolvimento – possam sofrer um aumento severo de insegurança alimentar e ter preços de energia mais elevados, ou maiores encargos de dívida, de acordo com a Equipa de Intervenção da ONU para o Grupo de Resposta
Global a Crises”, refere a BCG.

Juntas, a Rússia e a Ucrânia representam cerca de 12% do total de calorias alimentares comercializadas em todo o mundo e ambas são exportadoras críticas de produtos chave, como o trigo (28% do comércio global) e o óleo de girassol (69%), de acordo com o Instituto Internacional de Política Alimentar.

O Programa Alimentar Mundial da ONU (PAM) compra à Ucrânia metade do trigo que distribui por todo o mundo. Além disso, à medida que as exportações destes países caem, alguns outros países líderes nas exportações anunciaram proibições de exportação ou restrições de licenciamento destinadas a proteger os seus próprios stocks de alimentos, lembra a BCG.

O relatório da BCG conclui que é necessário, acima de tudo, “uma resposta humanitária de emergência coordenada e imediata por todas as partes interessadas. Os países devem coordenar-se para identificar e libertar stocks de cereais, bem como aumentar a produção para compensar os défices globais”.

Ao nível da agricultura, a BCG diz que “é aconselhável que participem com ajuda financeira e tecnológica para pequenos produtores e que, se possível, contribuam para a reconstrução da agricultura na Ucrânia”.

No contexto dos países afetados pela crise alimentar, uma alternativa será também encorajar os agricultores a produzir alternativas mais tradicionais e nutritivas aos cereais normalmente cultivados, e é sugerida a introdução de medidas para desencorajar a acumulação de stock e a escalada dos preços”.

Por outro lado, a BCG “considera benéfico apostar em iniciativas de apoio à produção de alimentos, como o Programa de Agricultura Global e de Segurança Alimentar, e trabalhar de perto com os governos e setores privados para fazer chegar ajuda alimentar urgente, onde esta é premente”.

“Outro ângulo possível será implementar tecnologias inovadoras e modelos de negócio que permitam um sistema de distribuição alimentar mais ágil e sustentável”, defende a consultora.

Por fim, “é fundamental a colaboração entre indústrias e governos para partilharem entre si informação e dados relevantes sobre a sua produção, reservas e cadeias de abastecimento”.

A inflação que resulta da invasão da Ucrânia, afeta não apenas os preços dos alimentos, mas também dos produtos agrícolas essenciais, tais como fertilizantes e combustíveis, dos quais a Rússia tem sido um fornecedor chave de longa data. “Cerca de metade da população mundial depende de produtos alimentares que utilizam fertilizantes e uma queda no seu fornecimento poderá afetar severamente as populações expostas até quatro anos, a menos que sejam tomadas medidas imediatas para aumentar as reservas”, refere a consultora.

Além disso, os efeitos da oscilação das perturbações na cadeia de abastecimento de fertilizantes chegarão aos consumidores em todo o mundo, alerta.

“Evitar mais crises deste tipo exigirá a diversificação da produção alimentar através de dietas, cadeias de abastecimento e mercados, bem como enfrentar o endividamento, as desigualdades económicas, e as distorções de mercado que contribuíram para a atual crise”, acrescenta Shalini Unnikrishnan, diretor-geral e sócio da BCG, líder mundial para a Alimentação e Natureza no âmbito do Impacto Social da consultora e co-autora do relatório.

Recomendadas

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

Dionísio Pestana pede reforma dos impostos como apoio às empresas

O presidente do Grupo Pestana afirma não precisar de ajudas diretas, perante o cenário de incerteza, mas pede ao Governo que avance com uma reforma nos impostos, apontando para a TSU.
Comentários