Premium“BPF não está a agir como devia para ajudar a baixar taxas às empresas”

Luís Miguel Ribeiro, presidente da AEP, defende que o Banco de Fomento devia dar garantias à banca para que as empresas consigam fixar taxas de juro mais baixas e, com isso, reduzir os custos.

A banca está a responder aos pedidos das empresas para fixar as taxas de juro nos créditos. Mas as condições não são tão favoráveis em relação àquelas que conseguiriam ter obtido se o tivessem feito há seis ou 12 meses.

Luís Miguel Ribeiro, presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP), diz, em entrevista ao Jornal Económico, que este é mais um custo que se vem juntar a todos os outros que o tecido empresarial tem agora de suportar, nomeadamente com a escalada dos preços da energia e das matérias-primas. Perante isto, o responsável critica a inação do Banco Português de Fomento, que, segundo o responsável, devia intervir através da concessão de garantias que permitissem mitigar o risco para o sector financeiro, abrindo a porta a condições mais favoráveis para as empresas.

A subida das taxas de juro é um motivo de preocupação para o tecido empresarial?
A subida das taxas de juro é uma realidade inevitável. E é uma realidade que vem agravar aquilo que já é a realidade atual, ou seja, o aumento de custos que todas as empresas tiveram. Perante um cenário destes, e tendo consciência do endividamento que temos nas empresas em Portugal, é natural que haja uma grande preocupação. Esta preocupação torna-se ainda maior quando em Portugal temos uma enorme dependência do sistema bancário.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Afinal, que soluções existem para as empresas?

O Banco Português de Fomento lançou no início do ano os dois primeiros programas para apoiar a solvabilidade do tecido empresarial português. A banca está focada em aconselhar e montar as operações.

Presidente da Ryanair antecipa subida de preços nas ‘low-cost’

Michael O’Leary diz que o preço médio por bilhete deverá subir entre 10 a 20 euros nas viagens low-cost, que estão a tornar-se, segundo o mesmo, “demasiado baratas”.

Candidaturas selecionadas para o Consolidar conhecidas em julho

Os programas Recapitalização Estratégica e Consolidar têm gerado grande interesse, diz a presidente da comissão executiva do Banco Português de Fomento, Beatriz Freitas, ao Jornal Económico.
Comentários