BPI consegue desblindar os estatutos

Assembleia Geral do BPI vota proposta para desblindagem dos estatutos.

Octávio Passos

À terceira foi vez: a Assembleia Geral (AG) do BPI votou favoravelmente a proposta para desblindagem dos estatutos – abrindo assim as portas à OPA que os espanhóis do CaixaBank querem lançar sobre o banco liderado por Fernando Ulrich.

As propostas de desblindagem foram votadas pela maioria dos accionistas presentes, mas o representante da Isabel dos Santos, José Miguel Júdice, absteve-se, segundo fontes presentes na Assembleia.

Fica assim escrito o último capítulo da saga do BPI. Mas apenas esta temporada. A próxima tem a ver com a própria OPA, cujo primeiro capítulo estará para breve. Fica também resolvida uma dor e cabeça para o Banco Central Europeu, que desde 6 de Setembro passado – data do último adiamento da AG – pressionou fortemente o BPI para que conseguisse resolver o problema que havia surgido entre os accionistas do banco.

Fundamental para esta solução foi o facto de o grupo Violas ter deixado cair o seu bloqueio à AG – que tinha obrigado a duas suspensões – e a aparente venda de 2% do Banco Fomento de Angola a Isabel dos Santos, que assim fica com a maioria e o controlo de gestão da instituição angolana.

 

BPI “encerra” questão da desblindagem

O BPI, numa Assembleia Geral onde estava presente 88,87% do capital, conseguiu finalmente “encerrar o assunto da desblindagem do capital”, como referiu o presidente do Conselho de Administração, Artur Santos Silva, em conferência de Imprensa a seguir à reunião magna.

Na AG foram votadas duas propostas de desblindagem em tudo semelhantes: a do Conselho de Administração, que foi apoiada por 94% do capital presente; e a do grupo Violas Ferreira, sustentada por 88,4%. Santos Silva explicou que a Mesa da AG decidiu votar as duas propostas porque o impasse criado pelas duas providências cautelas avançadas pela Violas Ferreira impunha algumas cautelas adicionais.

Santos Silva explicou que o representante do grupo ‘dissidente’ anunciou a retirada das providências, mas é ainda preciso que o BPI conheça uma decisão formal tomada por um juiz. Na sequência da desistência por parte do grupo Violas Ferreira, o presidente eleito0 da AG, Osório de Castro, retomou o cargo.

No dia de ontem, como disse Santos Silva, o conselho do Banco de Portugal aprovou a proposta de venda dos 2% do Banco Fomento de Angola a Isabel dos Santos – tendo enviado essa proposta para a empresária angolana. Santos Silva admitiu que a venda Unitel tinha “como pressuposto” a desblindagem dos estatutos. Se a proposta for aceite, e Santos Silva não vê nenhuma razão para que não o seja, o BPI deixa de ser obrigado a consolidar o banco angolano. Cumprem-se assim as duas ‘obrigações’ que o Banco de Central Europeu impôs ao BPI: a redução da exposição do banco a Angola; e a desblindagem dos estatutos.

Relacionadas

CMVM suspende negociação das acções do BPI

Regulador aguarda informações relevantes
Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários