BPI e CGD reforçam no moçambicano BCI

Estes reforços de participações na filial moçambicana tem origem na posição anteriormente detida pela Insitec Capital

O BPI passou de uma participação de 30% para 35,67% no banco moçambicano BCI, na sequência de um acordo com  a Insitec Capital, e a CGD, o outro acionista do banco moçambicano, passou de 51% para 61,5%.

Este reforço de participação na sua filial tem origem na posição anteriormente detida pela Insitec Capital, diz a Caixa. Isto é, os bancos portugueses compraram a posição do acionista moçambicano.

O BCI – Banco Comercial de Investimentos é, desde 2003, uma filial detida maioritariamente por dois bancos portugueses concorrentes: a CGD e o BPI.

Em novembro de 2007 a estrutura accionista do BCI foi alterada com a saída do Grupo SCI e a entrada do Grupo Insitec, com 18,12% das acções. Nessa altura a participação da CGD passou para 51% e a do Grupo BPI passou para 30% das acções. Os restantes 0,88% pertenciam a pequenos accionistas individuais, principalmente colaboradores do BCI.

Segundo os comunicados enviados hoje à CMVM o Grupo Insitec saiu e a CGD comprou a maior parte da participação e o BPI o restante.

Não foram divulgados os valores de aquisição das ações.

(atualizada)

Recomendadas

BPI distribui presentes de Natal a crianças no país

A edição de 2022 deverá mobilizar milhares de pessoas – entre trabalhadores sociais, voluntários, colaboradores e clientes do banco – para realizar os desejos de crianças apoiadas por instituições sociais que lutam contra a pobreza infantil em todo o país.

Luís Laginha de Sousa quer reafirmar caminho que tem sido feito pela CMVM

As linhas de atuação da nova administração do regulador de mercados, cuja cerimónia de tomada de posse decorreu esta segunda-feira no Ministério das Finanças, não significam “qualquer rutura com o caminho” seguido até agora, garante o novo presidente da CMVM que quer reforçar a articulação entre os supervisores.

Empréstimos à habitação continuam a abrandar, segundo Banco de Portugal

No final de outubro, o montante total de empréstimos para habitação era de 100,1 mil milhões. Outros dados do Banco de Portugal dão conta que o stock de empréstimos às empresas registou um valor de 76,2 mil milhões de euros, diminuindo 480 milhões de euros em relação ao mês anterior e registando uma taxa de variação anual de 1,1% (1,4% no mês anterior).
Comentários