BPI e FEI lançam linha de crédito de 200 milhões para PME inovadoras

O BPI e o Fundo Europeu de Investimento (FEI) assinaram um acordo para fomentar o crédito a pequenas e médias empresas (PME), bem como a empresas de média dimensão, ao abrigo do Programa InnovFin, apoiado pela Comissão Europeia. “O total de financiamento é de 200 milhões de euros e o montante máximo a emprestar a […]

O BPI e o Fundo Europeu de Investimento (FEI) assinaram um acordo para fomentar o crédito a pequenas e médias empresas (PME), bem como a empresas de média dimensão, ao abrigo do Programa InnovFin, apoiado pela Comissão Europeia.

“O total de financiamento é de 200 milhões de euros e o montante máximo a emprestar a cada empresa é de 7,5 milhões de euros, com a maturidade a poder estender-se até aos 10 anos, um prazo interessante e favorável para apoiar os projetos de investimento das empresas”, realçou o presidente do Banco BPI, Fernando Ulrich, na cerimónia de assinatura do acordo.

Nesta linha de crédito, o FEI garante metade do risco dando “maior capacidade de financiamento ao BPI”, conforme reconheceu Ulrich, que apontou para a possibilidade de apresentar “condições de preço mais favoráveis para as empresas”.

Não há ‘spreads’ fixos, “há escalões diferentes, consoante o ‘rating’ de cada empresa e o âmbito dos projetos”, sublinhou o gestor.

O comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, esteve presente na cerimónia, em Lisboa, tendo considerado que o dia de hoje “é de certa forma um dia histórico”, já que o acordo firmado com o BPI é a primeira operação do InnovFin em Portugal e a segunda assinada a nível europeu.

Moedas destacou que esta linha surge no âmbito do Horizonte 2020, “o maior programa do mundo de ciência, investigação e inovação, que ascende a 80 mil milhões de euros”, e que dedicou a estes projetos quase 3 mil milhões de euros.

E realçou: “Estes três mil milhões de euros vão-se multiplicar para chegar a 25 mil milhões de euros, mas esperamos que a contribuição de privados leve a 50 mil milhões de euros”, seguindo a mesma lógica do ‘plano Juncker de envolvimento de capitais públicos e privados.

Segundo Moedas, o BPI é “um banco que está na linha da frente, sem medo de apostar no futuro”.

Por seu turno, o diretor executivo do FEI, Pier Luigi Gilibert, considerou que este acordo permitirá que a entidade e o BPI apoiem “ainda mais empresas inovadoras nos próximos dois anos”.

OJE/Lusa

Recomendadas

“2023 será um ano de crescimento nos mercados externos”

O Grupo VAA tem como objetivo globalizar as suas duas marcas principais, Vista Alegre e Bordallo Pinheiro, e identificou sete mercados estratégicos onde está a apostar, explica Nuno Barra.

“Empresas arriscam sozinhas a entrada em mercados pela fraca dinamização e falta de apoio”

Mais de mil empresas participaram no Portugal Exportador no dia 23, orientado para a estratégia de internacionalização.

Rampa Digital dá consultoria às empresas sobre negócios no online

Associação .PT, gestora do domínio web português, quis estar perto das empresas que estão em processo de internacionalização.