BPI eleito o melhor Banco na Gestão de Tesouraria das Empresas em 2022

Para a atribuição do prémio, foram considerados vários critérios, incluindo a rentabilidade, quota de mercado e alcance, serviço ao cliente, preços competitivos, inovação de produtos e a diferenciação da concorrência quanto à prestação de serviços essenciais de gestão de tesouraria.

O BPI foi eleito, pelo sexto ano consecutivo, o melhor Banco na Gestão de Tesouraria das empresas em Portugal (The Best Treasury and Cash Management Provider in Portugal for 2022) pela revista internacional “Global Finance”, revela o banco em comunicado.

A escolha resulta de um processo de seleção baseado na opinião de analistas, executivos e especialistas tecnológicos que selecionaram os melhores bancos em 77 países e territórios.

Para a atribuição do prémio, foram considerados vários critérios, incluindo a rentabilidade, quota de mercado e alcance, serviço ao cliente, preços competitivos, inovação de produtos e a diferenciação da concorrência quanto à prestação de serviços essenciais de gestão de tesouraria.

“Os serviços de gestão de tesouraria e liquidez do BPI permitem que as empresas possam gerir os seus desafios diários, estando na linha da frente no lançamento de serviços diferenciados. O BPI continua ao lado das empresas para apoiar o seu desenvolvimento com soluções inovadoras e digitais, através de equipas de especialistas focadas na resposta a cada desafio”, revela a instituição.

 

Recomendadas

Santander Totta com aumento de capital de 135 milhões totalmente realizado

O Banco liderado por Pedro Castro e Almeida concluiu o aumento de capital que tinha sido aprovado a 4 de maio.

Bancos globalmente sistémicos com melhor performance dos resultados no primeiro trimestre

O Goldman Sachs fez uma análise aos resultados dos bancos no primeiro trimestre comparando, por um lado, os globalmente sistémicos dos outros e, por outro, os bancos da zona euro e de fora do euro. Em termos de rentabilidade o ROTE caiu 1,4 pp nos G-SIBs e subiu 0,5 pp nos outros bancos. Sendo nos G-SIBs em média de 7,7% e nos bancos não sistémicos, em média, de 10,3%.

Crédito Agrícola com lucros a caírem 51% para 37,5 milhões no primeiro trimestre

Esta redução de 50,7%, segundo o grupo, “é influenciada pelos resultados, não recorrentes, obtidos no 1º trimestre de 2021, relacionados com “ganhos líquidos com operações financeiras e com juros retroactivos, referentes a 2020, recebidos no âmbito do programa de financiamento do BCE – TLTRO III”. O ROE do Grupo CA fixou-se em 7,1% em março.
Comentários