BPI vai premiar startups inovadoras no Prémio Empreende XXI

Vencedores nacionais vão receber prémios monetários, acesso a um programa de formação em Silicon Valley e mentoring especializado.

O CEO do BPI, João Pedro Oliveira e Costa, chega para a apresentação dos resultados de 2020 da instituíção bancária, na sede em Lisboa, 04 de fevereiro de 2021. TIAGO PETINGA/LUSA

O BPI lançou a  a 6ª edição do Prémio Empreende XXI para premiar startups inovadoras e fomentar o crescimento do ecossistema empreendedor. As candidaturas abertas até 5 de dezembro 2022.

O concurso é para as empresas de base tecnológica e com menos de três anos de atividade que tenham projetos inovadores para apresentar na candidatura.

A iniciativa é dinamizada pelo BPI em Portugal e pelo CaixaBank em Espanha, através da DayOne, a sua divisão especializada para empresas tecnológicas e seus investidores. Os Prémios Empreende XXI decorrem nos dois países, em paralelo, no caso das categorias territoriais (duas zonas em Portugal e 17 em Espanha), e, em conjunto, nas categorias setoriais (seis “Prémios-Desafios” a nível ibérico).

Na anterior edição, candidataram-se 763 startups ibéricas (das quais 102 portuguesas), naquela que é uma das iniciativas para empreendedores com maior dimensão na Península Ibérica.

Em Portugal, a iniciativa conta com o apoio da Agência Nacional de Inovação (ANI), através do programa Born from Knowledge (BfK).

O BPI diz que pelo quinto ano consecutivo, será entregue a distinção BfK Awards à melhor empresa ou start-up portuguesa “nascida do conhecimento” e que mais se tenha destacado em atividades de Investigação & Desenvolvimento (I&D), com a atribuição do troféu “Árvore do Conhecimento”.

Os Prémios Empreende XXI atribuem em Portugal dois prémios às empresas com maior impacto na área geográfica de origem, um na zona “Norte e Centro” e outro em “Lisboa, Sul e Ilhas”. Cada um dos vencedores territoriais receberá 6 mil euros, revela o banco.

As empresas candidatas concorrem ainda, a nível ibérico, aos “Prémios Desafios”, que vão premiar as empresas mais preparadas para responder aos atuais desafios do setor financeiro e da sociedade em geral. As vencedoras recebem um prémio de 20 mil euros.

Foram definidos seis desafios. O primeiro chama-se BancaXXI e consiste na transformação digital e tecnológica do setor financeiro, o que inclui soluções inovadoras que acrescentam valor ao leque de produtos e serviços oferecidos pelo setor financeiro (banca e seguros).

O segundo é o CidadeXXI que pretende criar cidades mais sustentáveis, seguras, conectadas e adaptadas. Este é destinada a empresas que propõem soluções para melhorar as cidades onde vivemos.

O PlanetaXXI é um desafio de sustentabilidade ambiental, com vista a um planeta melhor para as novas gerações. Este desafio procura propostas inovadoras que ajudem a encontrar a melhor solução para um estilo de vida menos agressivo com os recursos naturais.

Depois há o SilverXXI, com vista a assegurar o envelhecimento ativo e uma vida longa e saudável, através da tecnologia. Este desafio dirige-se a setores como a tecnologia etária, as ciências da vida, a saúde digital, a mobilidade reduzida, o turismo sénior, o desporto, o fitness.

O desafio  SementeXXI consiste na transformação digital e inovação no sector agroalimentar e procura soluções tecnológicas relacionadas com a indústria agroalimentar para estabelecer uma produção mais eficiente, eficaz, sustentável e saudável.

Por fim o ViveXXI, é relativo à digitalização e a novos modelos de negócio do setor da hotelaria, restauração, turismo e lazer. Aqui são procuradas soluções que ajudam a reativar o setor, bem como novos modelos de negócio inovadores e soluções que contribuem para a sua digitalização.

Serão ainda atribuídos dois prémios especiais de 10 mil euros cada. Um, o prémio Impacto Social que será atribuído à empresa com maior influência positiva na sociedade, o outro é o prémio Deep Tech à inovação tecnológica mais disruptiva.

Além dos prémios monetários, todos os vencedores e um finalista por cada categoria dos desafios vão ter igualmente acesso a um programa internacional de formação, revela o banco. “O programa Moonshot Thinking for Entrepreneurs foi especialmente concebido para startups com elevado potencial de crescimento e é ministrado pela ESADE e por especialistas de Silicon Valley. Combina sessões de formação com a experiência de visitar alguns dos principais centros de inovação do mundo”, segundo o BPI.

Os Prémios Empreende XXI foram lançados há 15 anos em Espanha pelo CaixaBank, através da DayOne, e a iniciativa foi alargada à participação portuguesa, através do BPI, desde 2017. Os prémios são dirigidos a jovens startups inovadoras e tecnológicas e visam impulsionar as mais corajosas e com melhores soluções para responder aos desafios do futuro, permitindo acelerar o seu processo de crescimento e expansão global. Desde a sua criação, em 2007, o programa investiu 7,5 milhões de euros em prémios, que já beneficiaram mais de 465 empresas.

 

 

Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários