BPI vai sair de bolsa a 1,47 euros, dois cêntimos acima da proposta do CaixaBank

CaixaBank vai pagar 1,47 euros por cada ação aos acionistas do BPI. Nos próximos três meses haverá uma ordem permanente de compra, permitindo aos acionistas do BPI venderem as suas ações ao grupo bancário espanhol.

Manuel de Almeida/Lusa

O auditor independente fixou a contrapartida mínima para a saída de bolsa do BPI , liderado por Pablo Forero, no valor de 1,47 euros por ação, segundo um comunicado da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o regulador do mercado de capitais.

“Tendo em conta as análises anteriores, somos de opinião que a contrapartida mínima (…) a pagar pelo CaixaBank, (…), deve ser de 1,47 euros” lê-se no relatório do auditor que a CMVM replicou.

O regulador do mercado capitais vai ainda deliberar sobre a perda de qualidade de sociedade aberta do BPI. Nos próximos três meses, há uma ordem permanente de compra da CaixaBank, permitindo aos acionistas do BPI venderem as ações que detêm, por 1,47 euros.

O CaixaBank, que controla cerca de 95% do BPI, anunciou este ano a intenção de retirar o banco português da bolsa nacional. A proposta do grupo bancário espanhol foi aprovada em junho, em assembleia-geral do BPI. No entanto, o CaixaBank propôs retirar o BPI de bolsa por 1,45 euros por ação, uma vez que foi por esse preço que o grupo espanhol adquiriu 8% do capital social do BPI à  seguradora alemã Allianz. Mas o relatório do auditor independente, requerido pela CMVM em agosto, veio determinar um preço dois cêntimos acima daquela proposta, por 1,47 euros.

 

(atualizada)

Recomendadas

Fitch melhora perspetiva do rating do BCP

A mudança de perspectiva para o rating do BCP reflete, em parte, uma maior clareza em torno do provisionamento necessário para cobrir os riscos legais do Bank Millennium com empréstimos hipotecários denominados em francos suíços, na Polónia.

Sindicatos dos Quadros e SIB pedem apoio extraordinário para bancários no ativo

Ainda sobre as medidas do Governo de apoio para fazer face à inflação, o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) e o SIB (Sindicato Independente da Banca) pedem parecer sobre constitucionalidade do apoio aos pensionistas e exigem apoio extraordinário para bancários no ativo.

Rácio de crédito malparado na banca melhora para 3,4% no segundo trimestre

A queda “reflete a diminuição dos NPL (-4,0%) e o aumento dos empréstimos produtivos (+1,8%)”, explica o supervisor da banca. A rentabilidade também melhorou.
Comentários