BPI vende carteira de créditos de 140 milhões de euros à LX Partners

O chamado “Projeto Citron”, com um valor bruto total de cerca de 140 milhões de euros, correspondentes a cerca de 15.000 contratos de créditos de cerca de 5.000 clientes, foi vendido a fundos geridos pela LX Investment Partners.

O Banco BPI concluiu a venda de uma carteira de créditos non-performing, incluindo posições com e sem garantias reais hipotecárias, o chamado “Projeto Citron”, com um valor bruto total de cerca de 140 milhões de euros, correspondentes a cerca de 15.000 contratos de créditos de cerca de 5.000 clientes, a fundos geridos pela LX Investment Partners.

O anúncio foi feito pelo banco liderado por João Pedro Oliveira e Costa e é o closing de uma operação de venda de malparado que vou avançada pelo Jornal Económico.

“Esta transação reforça a posição de robustez do BPI, que mantém o melhor rácio de risco de crédito (NPE) do setor financeiro em Portugal. No final do primeiro semestre, o rácio de NPE do BPI era de 1,6%”, refere o banco.

O BPI não faz referência ao impacto desta venda no seu rácio de capital.

Recomendadas

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.

Morgan Stanley avança com corte de 1.600 empregos

A redução de quadros, dada em primeira-mão pela “CNBC”, afetou cerca de 1.600 dos 81.567 empregados da instituição financeira e tocou a quase todos os cantos do banco de investimento global. O banco está a seguir os seus concorrentes no restabelecimento de um ritual suspenso durante a pandemia: a saída anual de pessoas com fraco desempenho.
Comentários