BPN. Crédito de 36 milhões podia render 94 milhões

Crédito constituía a 31 de dezembro de 2014 “cerca de 85% do passivo do BPN Crédito”, 110 milhões de euros

A venda do BPN Crédito em 2014, por 36 milhões de euros, levava associada um crédito potencialmente recuperável de 94 milhões de euros, segundo o parecer do Tribunal de Contas à Conta Geral do Estado de 2014.

Segundo o documento, em dezembro de 2014, a Parparticipadas (uma das sociedades que herdou ativos do ex-BPN) vendeu a totalidade do BPN Crédito à Firmus Investimentos por 36 milhões de euros. Também nesse ano a Parvalorem tinha realizado uma anulação no valor de 93,5 milhões de euros respeitantes aos créditos que ainda detinha sobre o BPN Crédito IFIC.

“No entanto, o que se constatou foi que o referido crédito foi anulado contabilisticamente nas contas da Parvalorem mas, juridicamente, continuou a existir e foi cedido pelo valor de um euro à Parparticipadas que, por sua vez, o alienou juntamente com a totalidade das ações da BPN Crédito à Firmus Investimentos pelo referido montante de 36 milhões de euros”, refere o Tribunal de Contas.

Segundo a entidade agora liderada por Carlos Morais Antunes, aquele crédito constituía a 31 de dezembro de 2014 “cerca de 85% do passivo do BPN Crédito”, 110 milhões de euros, “pelo que se o crédito tivesse sido efetivamente anulado, a sociedade deveria, naquela data, apresentar um capital próprio no montante de 115 milhões de euros e não de 21 milhões de euros, como apresentava”.

O Tribunal de Contas acrescenta que, tendo em conta os balanços do primeiro e segundo trimestre, o BPN Crédito conseguiu, já no primeiro semestre de 2015, “recuperar 37% do referido crédito (35 milhões de euros), tendo o passivo da sociedade sofrido uma redução de montante equivalente”.

Assim, conclui o Tribunal de Contas, “foi vendida por 36 milhões de euros a totalidade do capital do BPN Crédito, mas levava associado um crédito potencialmente recuperável de 94 milhões de euros”.

OJE

Recomendadas

Crise/Inflação: Casais podem receber 125 euros pelo IBAN do reembolso do IRS

O apoio de 125 euros é individual, mas os casais que entreguem o IRS em conjunto e só tenham o IBAN do reembolso deste imposto confirmado nas Finanças recebem o apoio nessa conta bancária, esclareceu hoje fonte oficial.

PremiumPartidos convergem nos apoios às famílias e crescimento económico

Os partidos com assento parlamentar começam a definir as prioridades para o próximo Orçamento do Estado. Num quadro de incerteza, continuidade e necessidade de calibrar medidas é o elemento central do PS. Oposição reclama respostas ao acelerar da inflação.

Premium“Dá-se quase uma medalha a quem consegue fugir aos impostos”, diz presidente da APIT

O presidente da APIT salienta que Portugal está a braços com a economia informal e que são precisas políticas de cidadania na área.