BPP: Ministra da Justiça diz que PJ cumpriu a sua missão “exemplarmente”

O ex-banqueiro João Rendeiro, sobre quem pendia um mandado de detenção internacional, foi hoje detido na África do Sul, anunciou o diretor nacional da PJ, Luís Neves.

Cristina Bernardo

A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, considerou hoje que a Polícia Judiciária (PJ) cumpriu “exemplarmente a sua missão”, a propósito da detenção do ex-banqueiro João Rendeiro, recusando ainda comentar o processo judicial que prossegue.

“A PJ mostrou uma grande proficiência cumprindo exemplarmente a sua missão. A ministra da Justiça não comenta o processo judicial que espera que possa agora prosseguir o seu curso nos tribunais”, disse a ministra Francisca Van Dunem em nota enviada à Lusa.

O ex-banqueiro João Rendeiro, sobre quem pendia um mandado de detenção internacional, foi hoje detido na África do Sul, anunciou o diretor nacional da PJ, Luís Neves.

Luís Neves adiantou que João Rendeiro foi detido às 07:00 locais (05:00 em Lisboa) na República da África do Sul, onde chegou no dia 18 de setembro, adiantando que o ex-banqueiro reagiu com surpresa à detenção “porque não estava à espera”.

O objetivo agora é “decretar o cumprimento da prisão” do ex-banqueiro, disse Luís Neves, em conferência de imprensa, na sede da PJ, em Lisboa, adiantando que o ex-banqueiro será presente a tribunal nas próximas 48 horas.

Questionado sobre quando deverá entrar em Portugal, o diretor nacional da PJ afirmou que “esse é um assunto que agora compete às autoridades judiciais da República da África do Sul”.

João Rendeiro, que em 28 de setembro foi condenado a três anos e seis meses de prisão efetiva, num processo por crimes de burla qualificada, estava no estrangeiro e em parte incerta, fugido à justiça.

Relacionadas

Extradição de Rendeiro pode ficar concluída num prazo máximo de oito meses

Caso João Rendeiro se oponha à extradição para Portugal, o processo passa para a segunda instância, cuja decisão não reconhece recurso.

Se for extraditado para Portugal Rendeiro é preso para cumprir pena de cinco anos e oito meses

João Rendeiro está condenado em três processos judiciais relacionados com o colapso do BPP. Processos que foram investigados pela Polícia Judiciária através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC). Mas até agora apenas um deles transitou em julgado.

João Rendeiro tinha hotéis de cinco estrelas em Joanesburgo como “local habitual de refúgio”

Ex-banqueiro terá sido detido na cidade de Durban, embora o diretor nacional da Polícia Judiciária não tenha revelado o local. Luís Neves garantiu, ainda assim, que o fundador do Banco Privado Português “tinha muitos cuidados e não circulava livremente”.

Luís Neves: “A Polícia Judiciária não lava a face a ninguém”

“Nós também cometemos por vezes os nossos lapsos”, disse o diretor nacional da Polícia Judiciária, que minutos admitira que a fuga de João Rendeiro teve impacto negativo na imagem de Portugal.

Diretor nacional da PJ confiante na extradição de João Rendeiro da África da Sul

Luís Neves destacou cooperação internacional com altos responsáveis policiais sul-africanos e angolanos e disse que Portugal realça a “grande capacidade económica” e “grande capacidade de fuga” do ex-banqueiro como argumento para que fique em prisão preventiva até haver decisão quanto à extradição. Procuradoria-Geral da República emitiu um documento de sustentação.

Polícia Judiciária anuncia que João Rendeiro foi detido

Ex-presidente do Banco Privado Português foi detido na manhã deste sábado, no cumprimento de um mandado de detenção internacional. Polícia Judiciária vai revelar detalhes da operação numa conferência de imprensa, estando a ser noticiado que Rendeiro se encontrava na África do Sul.
Recomendadas

Governo acompanha caso de portuguesa encontrada morta em França

O Ministério dos Negócios Estrangeiros português anunciou hoje que os consulados gerais de Estrasburgo e do Luxemburgo estão a acompanhar “com especial atenção” o caso de uma portuguesa encontrada morta em França.

Marcelo assume contacto a José Ornelas para lhe dizer que envio de denúncia “não foi pessoal”

O Presidente da República assumiu hoje que teve a iniciativa de contactar o bispo José Ornelas para lhe dizer que “não foi pessoal” a denúncia contra ele que encaminhou para o Ministério Público.

Marcelo “não deveria ter falado” com José Ornelas, considera Ventura

O presidente do Chega, André Ventura, considerou hoje que o Presidente da República “não deveria ter falado” com o bispo José Ornelas sobre questões relacionadas com a denúncia de alegado encobrimento de abusos sexuais.
Comentários