Brasil: Bolsonaro apela para que manifestantes desbloqueiem as estradas

O ainda presidente brasileiro apelou aos seus apoiantes que desobstruam as estradas do país de forma a não perderem a “legitimidade”. Entretanto, multiplicam-se os apelos à intervenção militar.

“Eu quero fazer um apelo a você, desobstrua as rodovias. Isso daí não faz parte, no meu entender, dessas manifestações legitimas. Não vamos perder nós aqui a nossa legitimidade”, disse Bolsonaro, num vídeo gravado e partilhado nas redes sociais.

“O fechamento de rodovias pelo Brasil prejudica o direito de ir e vir das pessoas, está lá na nossa Constituição. E nós sempre estivemos dentro dessas quatro linhas. Eu tenho que respeitar o direito de outras pessoas que estão se movimentando, além de prejuízo a nossa economia”, insistiu.

Recorde-se que, durante as últimas horas, um camionista tentou furar o bloqueio provocando pelo menos uma dezena de feridos – sendo que as autoridades ainda nada disseram sobre as possíveis intenções do homem, entretanto preso, que provocou o acidente.

Entretanto, milhares de pessoas concentraram-se esta quarta-feira em frente ao quartel do exército em Brasília, num apelo à intervenção militar para tirar “o comunismo” do país e continuaram a pregar os mandamentos do seu ‘mito’.

Tendas montadas, venda de camisolas da seleção brasileira, a maioria com o número 10 do bolsonarista assumido Neymar, bandeiras brasileiras e milhares de pessoas a alternarem entre cânticos do hino e apelos à intervenção militar, era o cenário vivido em frente ao quartel-general do Exército em Forte Caxias, no coração da capital do país.

Mais de 50 manifestações em frente a quartéis foram agendadas através das redes sociais num apelo ao Exercito para intervir num resultado que já foi aceite, entre outros, pela esmagadora maioria dos proeminentes apoiantes do presidente brasileiro, da comunidade internacional e do Supremo Tribunal Federal. O próprio Jair Bolsonaro, sem o mencionar verbalmente, já deu autorização para o início do processo de transição.

O slogan em todas as manifestações bolsonaristas espalhadas pelo Brasil foi o mesmo: “intervenção federal” ao abrigo do artigo 34 da Constituição, que declara num dos seus pontos que o governo central pode intervir, se necessário e por qualquer meio possível, para garantir a “forma republicana, o sistema representativo e o regime democrático”.

Em paralelo, prosseguiram durante o dia os bloqueios em cerca de 150 pontos em 15 dos 27 Estados do país; em muitos casos foram apenas parciais, obstruindo mas não bloqueando completamente o tráfego.

O protesto dos camionistas começou a perder intensidade depois de Bolsonaro ter concedido a derrota e determinado que o governo iniciaria o processo de transição com a equipa de Lula, que está agendado para esta quinta-feira. Bolsonaro fez a declaração sobre o resultado das eleições na terça-feira cerca de 45 horas após a contagem oficial ter concedido a vitória a Lula da Silva.

Relacionadas

Brasil: Carro fura barreira de manifestantes e provoca dez feridos (com áudio)

Pelo menos dez pessoas ficaram feridas quando um motorista furou uma barreira de apoiantes do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, que bloqueavam uma estrada em São Paulo.

Brasil/Eleições: Bolsonaro agradece aos eleitores que votaram nele e não dá os parabéns a Lula da Silva (com áudio)

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, agradeceu hoje ao seus eleitores, pediu aos apoiantes que parem as manifestações e não cumprimentou Lula da Silva, vencedor das eleições de domingo.
Recomendadas

Covid-19: China anula várias medidas de prevenção e sinaliza fim da estratégia ‘zero casos’ (com áudio)

O Conselho de Estado (Executivo) anunciou que quem testar positivo para o vírus pode, a partir de agora, cumprir isolamento em casa, em vez de ser enviado para instalações designadas, muitas vezes em condições degradantes.

Covid-19: Pandemia provocou mais 300 mil mortes na UE do que as oficiais, diz OCDE

“No final de outubro de 2022, mais de 1,1 milhões de mortes de covid-19 foram reportadas em todos os 27 países da UE, mas os dados sobre o excesso de mortalidade sugerem que se trata de uma subestimativa e que mais 300 mil pessoas morreram devido ao efeito direto ou indireto da pandemia”, refere o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e da Comissão Europeia (CE).

Covid-19: Problemas de saúde mental aumentaram na Europa, sobretudo nos jovens

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) explica no relatório comparativo da situação de saúde na Europa que, enquanto em 2019 a percentagem de jovens entre 15 e 24 anos com sintomas de depressão era de 6%, contra 7% nos adultos, com o coronavírus os números aumentaram em todos os países para os quais existem dados.
Comentários