Brasil. Candidatos criticam aproveitamento político de Bolsonaro no funeral de Isabel II (com áudio)

No domingo, Jair Bolsonaro discursou perante cerca de 200 apoiantes junto à embaixada do Brasil em Londres e salientou que as sondagens que atribuem a vitória nas eleições presidenciais de 2 de outubro ao antigo chefe de Estado Lula da Silva estão erradas e disse que a esquerda quer legalizar as drogas, reforçar os diretos de aborto e falou ainda sobre os perigos da ideologia de género.

8 – Brasil

Os candidatos às eleições presidenciais brasileiras criticaram esta segunda-feira o aproveitamento político e eleitoral do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante a estadia em Londres por ocasião do funeral de Isabel II.

“Mais uma vez, constata-se que Bolsonaro não foi a Inglaterra por solidariedade ou por homenagem sincera à rainha Elizabeth II. Bolsonaro manteve do outro lado do Atlântico sua campanha eleitoral em tempo integral, num flagrante desrespeito ao luto de toda uma nação”, denunciou a senadora e candidata às eleições presidenciais de 02 de outubro Simone Tebet.

Lula da Silva, ex-Presidente brasileiro e primeiro classificado nas intenções de voto para as presidenciais de 2 de outubro, já havia criticado no domingo o comportamento de Jair Bolsonaro.

Lula considerou “louvável” que Bolsonaro assista ao funeral da rainha, mas condenou o aproveitamento da viagem para “fazer discursos” e “criticar a esquerda”.

“Não seria melhor (…) visitar famílias de pessoas que morreram de covid[-19]?” questionou o líder do Partido dos Trabalhadores (PT) durante um comício de campanha em Florianópolis, capital do estado de Santa Catarina.

No domingo, Jair Bolsonaro discursou perante cerca de 200 apoiantes junto à embaixada do Brasil em Londres e salientou que as sondagens que atribuem a vitória nas eleições presidenciais de 2 de outubro ao antigo chefe de Estado Lula da Silva estão erradas e disse que a esquerda quer legalizar as drogas, reforçar os diretos de aborto e falou ainda sobre os perigos da ideologia de género.

Questionado na segunda-feira por um jornalista brasileiro sobre o seu aproveitamento eleitoral em Londres, numa viagem em que representava a nação brasileira, Bolsonaro irritou-se e abandonou a conferência de imprensa.

A última sondagem divulgada pelo Datafolha na quinta-feira da semana passada mostra que Lula da Silva tem 45% das intenções de voto para a primeira volta, contra 33% de Bolsonaro.

A eleição presidencial no Brasil tem a primeira volta marcada para 2 de outubro e a segunda, caso seja necessária, no dia 30.

Atualmente, dez candidatos disputam as presidenciais brasileiras: Jair Bolsonaro, Luiz Inácio Lula da Silva, Ciro Gomes, Simone Tebet, Luís Felipe D’Ávila, Soraya Tronicke, Eymael, Leonardo Pericles, Sofia Manzano e Vera Lúcia.

Recomendadas

Consórcio confirma existência de petróleo em São Tomé e Príncipe

O consórcio é composto pela Galp STP (operador) com 45% de interesses participativos, Shell STP com 45%, e a ANP–STP, em representação do Estado são-tomense, com 10% de interesses participativos.

Bósnia-Herzegovina: eleições ensombradas por milhares de votos inválidos

Quatro dias após as eleições, ainda não há resultados validados e o risco do não reconhecimento do ato eleitoral ou da sua repetição é grande. Entretanto, na República Srpska, Mirolad Dodic jura fidelidade a Moscovo.

Lado turco de Chipre exige reconhecimento às forças de paz da ONU

A República Turca do Chipre do Norte, país que só a Turquia reconhece, quer que a força de paz da ONU, que está no terreno desde 1964, reconheça a existência do país. Ou então que se retire.
Comentários