Brasil/Eleições. Bolsonaro pede à justiça eleitoral ato “transparente e calmo”

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, instou esta quinta-feira dois juízes nomeados para presidir ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes e Ricardo Lewandowski, – alvos frequentes dos seus ataques – a organizarem eleições “transparentes e calmas”.

Numa reunião no Palácio do Planalto, sede do governo brasileiro, descrita como cordial e sem tensão, organizada na noite de quarta-feira, Bolsonaro recebeu convites dos juízes para participar na posse de Moraes como presidente do tribunal eleitoral e Lewandowski como vice-presidente, numa cerimónia que deverá ocorrer na próxima semana.

Segundo o jornal ‘O Globo’, a conversa entre os três foi positiva. Fontes ligadas ao Governo brasileiro garantiram confiar que o encontro serviu para iniciar uma nova etapa nas relações entre Bolsonaro e Moraes, responsável por alguns dos processos contra o Presidente brasileiro no Supremo Tribunal Federal (STF), que o juiz também integra.

Por sua vez, o TSE não está muito convencido de quanto tempo pode durar esse bom clima e suspeita que a proximidade da campanha eleitoral possa estar por trás dessa mudança de atitude, depois de no último ano Bolsonaro ter intensificado os seus ataques a Moraes e a outros juízes do STF.

Desde que foi eleito Presidente em 2018, Bolsonaro mantém uma cruzada particular contra as urnas eletrónicas, cuja fiabilidade tem colocado em causa, bem como contra o sistema eleitoral e os juízes do TSE, sem apresentar nenhuma prova das suas alegações.

Moraes, a quem Bolsonaro acusou em várias ocasiões de liderar uma perseguição política contra si, tem sobre a mesa alguns dos cinco casos que o Presidente brasileiro tem em curso no STF, como o inquérito sobre a sua alegada participação em ‘milícias digitais’ criadas para disseminar notícias falsas contra adversários políticos e o sistema eleitoral.

Fontes do Palácio do Planalto disseram que Bolsonaro participará na posse de ambos os juízes em sinal de “respeito”.

O Presidente brasileiro também terá oferecido a Moraes uma camisa da equipa de futebol Corinthians durante a reunião de quase uma hora.

Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários