Brasil: Parlamento Europeu repudia “tentativas de Bolsonaro de desacreditar sistema eleitoral”

O Parlamento Europeu condenou hoje veementemente o recente ataque às instituições democráticas no Brasil, repudiou as tentativas do ex-presidente Jair Bolsonaro para “desacreditar o sistema eleitoral” e saudou os esforços com vista a uma investigação rápida e imparcial.

A posição do Parlamento é expressa numa resolução hoje adotada em Estrasburgo, França, com 319 votos a favor, 46 contra e 74 abstenções, depois de a “invasão às instituições democráticas brasileiras”, ocorrida a 08 de janeiro, ter sido debatida no hemiciclo na quarta-feira à noite.

No texto hoje adotado, os eurodeputados começam por expressar “solidariedade com o Presidente democraticamente eleito, Lula da Silva, o seu governo e as instituições brasileiras”, e condenam “com a maior veemência os atos criminosos perpetrados pelos apoiantes do ex-presidente Bolsonaro”.

Os eurodeputados dizem a seguir congratularem-se com “os esforços para assegurar uma investigação rápida e imparcial para identificar e processar os envolvidos, os instigadores e as instituições estatais que não atuaram para evitar os ataques”.

O Parlamento destaca “a recente decisão do Supremo Tribunal de aprovar o pedido dos procuradores federais para investigar o ex-Presidente Bolsonaro, pois ele ‘poderia ter contribuído, de forma muito significativa, para a realização de atos criminosos e terroristas'”.

A assembleia “lamenta as tentativas do ex-presidente Bolsonaro e de alguns dos seus apoiantes políticos de desacreditar o sistema eleitoral e as autoridades eleitorais, apesar da falta de provas de fraude eleitoral, e convida-os a aceitarem o resultado democrático das eleições”.

A terminar, a assembleia europeia nota que “os acontecimentos em Brasília, a invasão do Capitólio norte-americano em janeiro de 2021 e a detenção na Alemanha, em dezembro de 2022, de 25 pessoas que procuravam restabelecer o ‘Reich’ alemão estão ligados à ascensão do fascismo transnacional, do racismo e do extremismo”, pelo que salienta a “importância de regular as plataformas de comunicação social para prevenir a desinformação e o discurso do ódio”.

No debate realizado na quarta-feira à noite em Estrasburgo, a generalidade dos eurodeputados que intervieram estabeleceram um paralelo entre o sucedido a 08 de janeiro último no Brasil e o ataque em Washington a 06 de janeiro de 2021 por apoiantes do então Presidente norte-americano cessante, Donald Trump, e sublinharam a importância de serem responsabilizados todos os envolvidos nos acontecimentos de Brasília.

Intervindo em nome da Comissão Europeia, a comissária Adina Valean apontou que “a União Europeia tem reiterado a sua confiança na democracia do Brasil e na força das suas instituições”, e afirmou-se convicta de que as mesmas “prevalecerão sobre a violência e o extremismo”.

“O ataque às instituições centrais do Brasil não começou no domingo passado. Lamentavelmente, é o resultado de anos de ataques de polarização política contra o poder judiciário, contra a imprensa livre e contra a sociedade civil, amplificados ainda mais pelas redes sociais, e isto não está de modo algum limitado ao Brasil. Este é um problema para todas as nossas democracias”, alertou.

Apoiantes do ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro, que recusavam a sua derrota nas presidenciais de outubro, invadiram e vandalizaram em 08 de janeiro as sedes dos três poderes do país em Brasília – Supremo Tribunal Federal, Congresso e Palácio do Planalto -, obrigando à intervenção federal para repor a ordem e suscitando a condenação da comunidade internacional.

Recomendadas

Zelensky desloca-se hoje ao Reino Unido e vai encontrar-se com Sunak

Depois do Reino Unido, espera-se que Volodymyr Zelensky se desloque até Bruxelas amanhã, onde se irá voltar a encontrar com Charles Michel e Ursula von der Leyen. Ainda assim, a visita de quinta-feira ainda é uma incógnita, uma vez que a viagem deveria ter sido mantida em segredo.

Sismo na Turquia: Novo balanço ultrapassa os 8.300 mortos (com áudio)

Equipas de emergência turcas conseguiram resgatar esta madrugada uma mãe síria e a filha de dois anos, 44 horas depois de terem sido soterradas sob os escombros de um prédio destruído no sul da Turquia.

Ucrânia: Portugal abriu 103 processos envolvendo crianças e três estão em famílias de acolhimento

Desde que começou a guerra na Ucrânia, a 24 de fevereiro do ano passado, Portugal atribuiu 14.082 proteções temporárias a menores ucranianos, representando cerca de 25% do total dos refugiados que fugiram do conflito.
Comentários