Brasil vai transferir embaixada de Tel Aviv para Jerusalém

Primeiro-ministro de Israel sublinhou que o Brasil é atualmente o principal foco do país e que é importante estreitar as relações entre ambos.

Atef Safadi/Reuters

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse este domingo que o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, garantiu a mudança da embaixada brasileira para Jerusalém.

“Bolsonaro disse ‘vou mudar a embaixada para Jerusalém, não é uma questão de ser, mas uma questão de quando’”, disse o Netanyahu, durante um encontro com a comunidade judaica do Rio de Janeiro, no Hotel Hilton, em Copacabana.

O governo de Israel acredita que não haverá retaliação das nações árabes contra o Brasil devido à mudança da sede da embaixada brasileira.

Netanyahu destacou ainda que o Brasil é atualmente o principal foco de Israel e que é importante estreitar relações com o país.

O primeiro-ministro explicou que conversou com Bolsonaro sobre os benefícios que a tecnologia israelita pode apresentar ao Brasil, principalmente nas áreas de agricultura, gestão hídrica e segurança. Nos próximos meses especialistas israelitas estarão no Brasil para mapear as necessidades brasileiras e avaliar possibilidades de parceiras económicas.

Netanyahu destacou também a forma amigável como foi recebido este sábado durante um passeio à praia de Copacabana. “Entre milhares de pessoas, uma pessoa gritou ‘free Palestine’ [Palestina livre], mas milhares de pessoas alaudiram-me”, disse.

Recomendadas

Banco Popular da China pede aos bancos para suportarem a moeda chinesa nos mercados internacionais

A China pediu aos seus bancos que se preparem para socorrer o yuan, face à crescente agitação provocada pela valorização do dólar face ao yuan, face ao euro e face à libra, avança o El Economista.

Alemanha não vai seguir “política fiscal expansionista” do Reino Unido

O Governo alemão anunciou um fundo de 200 mil milhões de euros destinado a proteger consumidores e empresas do aumento dos preços do gás impulsionado pela guerra na Ucrânia.

Líbano. Crise política não abranda: Parlamento não consegue eleger presidente

Beirute não tem um governo em funcionamento desde maio e o atual primeiro-ministro, Najib Mikati, não tem legitimidade suficiente. Acentuando a crise política – paralela à económica – não foi possível ao Parlamento eleger o presidente do país.
Comentários