Brexit: bancos norte-americanos planeiam manter empregos em Londres

Morgan Stanley, Citigroup e Bank of America estarão a ponderar utilizar as suas agências do Reino Unido, das suas subsidiárias da União Europeia, para facilitar o processo de construção de novas instalações na Europa, assim que os britânicos abandonarem o bloco.

Os maiores bancos dos Estados Unidos da América, como o Morgan Stanley, o Citigroup e o Bank of America estão a planear uma estratégia para o Brexit de forma a evitar passar centenas de empregos para fora de Londres. As instituições estarão a ponderar utilizar as suas agências do Reino Unido, das suas subsidiárias da União Europeia, para facilitar o processo de construção de novas instalações na Europa, assim que os britânicos abandonarem o bloco.

A informação foi avançada ao Financial Times (FT) por cinco fontes ligadas ao processo. Na opinião de um dos banqueiros envolvido s no plano, a opção, que os advogados apelidaram de “ramificação” [branch-back], foi “o arranjo mais simples” que se encontrava disponível e que oferecia “menos custos, menos disrupção e movimento”.

Apesar de os bancos se terem recusado a comentar ao FT o andamento do processo, a publicação sabe que a hipótese do branch-back se trata basicamente de uma transposição da configuração atual, em que os bancos norte-americanos tendem a utilizar as suas operações em Londres para passarem os seus serviços para o resto da União Europeia.

Para que avance, as autoridades britânicas têm de permitir que os bancos de investimento com base noutros países europeus continuem a operar no Reino Unido através de de filiais mais regulamentadas. “Todos nós ainda não estamos certos sobre onde é que os reguladores do Reino Unido definirão os termos de como tratam os ramos das entidades da União Europeia”, referiu um dos porta-vozes ao diário local. Já os bancos defendem que as sucursais recém-criadas recebam o mesmo tratamento que as existentes.

A saída do Reino Unido da União Europeia vai acontecer às 23 horas do dia 29 de março de 2019, disse a primeira-ministra britânica, Theresa May, na passada sexta-feira. A data anunciada está incluída no projeto de lei sobre a saída do Reino Unido da União Europeia e que será debatido numa sessão no parlamento britânico agendada para a próxima semana e que deve autorizar o “Brexit”.

Theresa May, num artigo publicado no jornal Daily Telegraph, escreve que a decisão em informar sobre o exato momento em que o “Brexit” é aplicado tem como objetivo demonstrar a “determinação” do governo em completar “o processo” de retirada da União Europeia.

Relacionadas

Brexit: 50 bancos planeiam deixar o Reino Unido

O Banco Central Europeu recebeu cerca de meia centena de consultas de entidades que se preparam para abandonar o Reino Unido, antes da sua saída de União Europeia.

Banco de Inglaterra estima que Reino Unido possa perder até 75 mil postos de trabalho na banca

Fonte próxima da administração do banco indica, no entanto, que o número pode ainda vir a alterar-se consoante o tipo de acordo que a primeira-ministra britânica, Theresa May, conseguir para o Brexit.

Fuga de impostos? Brexit pode custar até 19 mil milhões pagos pelos bancos estrangeiros

Apesar de o impacto da saída do Reino Unido da União Europeia só poder ser calculado depois do acordo com a União Europeia, especialistas o potencial impacto do divórcio no Tesouro britânico não deve ser subestimado.
Recomendadas

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.

Morgan Stanley avança com corte de 1.600 empregos

A redução de quadros, dada em primeira-mão pela “CNBC”, afetou cerca de 1.600 dos 81.567 empregados da instituição financeira e tocou a quase todos os cantos do banco de investimento global. O banco está a seguir os seus concorrentes no restabelecimento de um ritual suspenso durante a pandemia: a saída anual de pessoas com fraco desempenho.
Comentários