Brexit. Boris Johnson vai impedir que sejam negociadas mais extensões entre Londres e Bruxelas

Proposta de alteração à lei será votada esta sexta-feira. Medida torna ilegal qualquer pedido de extensão das negociações comerciais entre os dois lados, que terão de ficar concluídas até ao fim de 2020.

Certo de que o mote da sua campanha eleitoral vai ser cumprido, Boris Johnson quer garantir que o Reino Unido não vai pedir mais extensões do Brexit.

A notícia avançada pelo The Guardian, esta terça-feira, explica que os parlamentares em Westminster vão-se reunir esta tarde para avançar com uma emenda à legislação do Brexit que dite que o Reino Unido vai sair da União Europeia em 2020 e não irá estender o período de transição, bloqueado, assim, a possibilidade de haver mais negociações entre Bruxelas e Londres.

Segundo o plano de Johnson, o Reino Unido abandonará o bloco europeu a 31 de janeiro. Uma vez aprovada a lei em causa, entra em ação o período de transição que tem a duração de um ano. Durante esse período, o Reino Unido permanecerá na união aduaneira da União Europeia e no mercado único, mas o governo não terá direito a voto nas instituições do bloco.

Mas tanto o Reino Unido como a UE têm até julho de 2020 para dizerem se esse prazo é, ou não, suficiente. Se houver acordo para uma extensão, as negociações podem estender-se por mais um ou dois anos. E é essa possibilidade que Johnson quer tornar ilegal.

“O nosso manifesto deixou claro que não irá extender o período de implementação e a nova lei no contrato de saída vai proibir legalmente o governo de concordar com qualquer extensão”, explicou uma fonte ao jornal britânico. A nova formação na Câmara dos Comuns deverá reunir-se na sexta-feira para debater e votar na nova emenda do Brexit, anunciou a mesma fonte. Com uma maioria de 80 deputados conquistada nas eleições da semana passada, o Partido Conservador de Boris Johnson não deverá ter dificuldades para fazer aprovar a proposta.

Os trabalhos na Câmara recomeçam hoje, com um calendário que inclui dois dias de juramento dos deputados, seguido pela abertura do Parlamento pelo Estado e depois pelo Discurso da Rainha, na quinta-feira.

Relacionadas

Milionários britânicos “abrem champanhe” com vitória de Boris Johnson

“Os conservadores de Boris Johnson não venceram apenas, eles atacaram o trabalho de Corbyn no Reino Unido, incluindo nos bastiões trabalhistas muito afastados do centro de Londres”, escreve a Bloomberg.

Boris Johnson promete Brexit a 31 de janeiro

Com 648 dos 650 dos assentos atribuídos, o Partido Conservador garantiu já 363, contra 203 do Partido Trabalhista, que perdeu 59, e 48 do Partido Nacionalista Escocês.

Reino Unido: Brexit chega ao parlamento na sexta-feira

O novo parlamento entra hoje em atividada e recebe Isabel II na quinta-feira para o tradicional ‘Discurso da Rainha’ – onde os britânicos ficarão a conhecer pormenores de um mega-investimento de 40 mil milhões no setor da saúde.

Maiores empresas no Reino Unido valorizaram 40 mil milhões após vitória de Boris Johnson

A nova maioria de conservadores no parlamento britânico deverá evitar um Brexit sem acordo. Mas os investidores também ficaram satisfeitos com a derrota do partido trabalhista, que tinha prometido nacionalizar várias empresas. Os 16 britânicos mais ricos aumentaram a sua fortuna em 2,5 mil milhões só na sexta-feira.

Boris Johnson: o Brexit já é passado

Está resolvido, não vale a pena pensar mais nisso. Foi esta a mensagem do primeiro-ministro britânico à porta da residência que vai continuar a ocupar. O problema é a Escócia. E a Europa, com todos os seus estados de alma.
Recomendadas

Projetos de transição vão sofrer com efeitos da crise

Os processos de transição climática em curso já estão a sofrer soluços no atual cenário macroeconómico e há lições a tirar. “Tudo vai custar muito mais do que se pensava”, garante o CEO da Madoqua Renewables ao Jornal Económico.

Isolamento deixa de ser obrigatório para infetados com Covid-19

O Ministério da Saúde também aponta que os testes a covid-19 deixam de ser prescritos via SNS 24

Covid-19: Mortalidade e internamentos estáveis, infeções com tendência crescente

A mortalidade e as hospitalizações por covid-19 continuam em níveis estáveis em Portugal, mas o país regista uma tendência crescente de novos casos de infeção, indica o relatório sobre a evolução da pandemia hoje divulgado.
Comentários