Brexit: Bruxelas aprova passagem à segunda fase das negociações

Numa resolução aprovada por 556 votos a favor, 62 contra e 68 abstenções, o PE concorda que se “afigura viável passar à segunda fase das negociações”.

Luke MacGregor/Reuters

O Parlamento Europeu (PE) aprovou hoje um relatório que recomenda a passagem à segunda fase das negociações do acordo de ‘divórcio’ do Reino Unido (‘Brexit’) por se terem realizado “progressos suficientes” na primeira etapa.

Numa resolução aprovada por 556 votos a favor, 62 contra e 68 abstenções, o PE concorda que se “afigura viável passar à segunda fase das negociações” e recomendam que o Conselho Europeu, que se reúne a 27 na quinta-feira, em Bruxelas, adote uma decisão nesse sentido.

A recomendação dos eurodeputados acompanha a da Comissão Europeia, anunciada no dia 08, e depois de Bruxelas e Londres terem concordado sobre o princípio de que não haverá uma fronteira física entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda.

Os direitos dos cidadãos da União Europeia (UE) que vivem no Reino Unido – e vice-versa – após 29 de março de 2019 (data marcada para o ‘Brexit’) e a fatura da saída foram outros dois temas que marcaram a primeira fase negocial.

Depois do aval do Conselho Europeu a 27, poderá arrancar a segunda fase, sobre as futuras relações comerciais entre o Reino Unido e a UE.

Recomendadas

Irão: ‘Polícia da moralidade’ poderá ser substituída por “novas tecnologias”

O Centro de Promoção da Virtude e Proibição do Vício do Irão afirmou hoje “que a missão da polícia da moralidade terminou”, mas sublinhou que estão a ser estudadas novas tecnologias para controlar o vestuário das mulheres.

Ucrânia: Operadora de eletricidade anuncia cortes de emergência em todo o país

A operadora de eletricidade ucraniana Ukrenergo avisou hoje que vai ser preciso realizar cortes de energia de emergência em toda a Ucrânia, devido aos mais recentes ataques russos.

Mike Pence rejeita comentários de Trump contra a Constituição dos EUA

O ex-vice-presidente norte-americano Mike Pence rejeitou hoje as afirmações de Donald Trump de que deveria “acabar-se” com a Constituição do país para que pudesse ser reintegrado na Presidência.
Comentários