Brexit devastador para famílias britânicas: Perdas de 1.500 mil milhões

O Reino Unido sofreu uma “importante” diminuição da riqueza das famílias em 2016 devido ao triunfo do Brexit

Jason Alden/Bloomberg

O Reino Unido sofreu uma “importante” diminuição da riqueza das famílias em 2016 devido ao triunfo do Brexit. Concretamente, as famílias britânicas perderam 1.500 mil milhões de dólares, realça o estudo da Credit Suisse.

O referendo que determinou a futura saída do Reino Unido da União Europeia desencadeou uma forte descida das taxas de juro e nos mercados financeiros, recorda o banco suíço no seu relatório sobre Riqueza Mundial de 2016.

Analistas desta instituição referiram que “as consequências do voto no Brexit não podem ser medidas apenas pelo impacto que o mesmo tem no PIB mas também nos efeitos sobre a riqueza das famílias”.

Desde 23 de junho, data do referendo, a riqueza das famílias britânicas caiu 1.500 mil milhões de dólares.

Atualmente, o Reino Unido conta com 406 mil milionários, menos do que existiam antes do voto favorável no Brexit.

Recomendadas

OE2023. Maioria dos empresários defende mexidas no IRS

Inquérito da consultora EY conclui que mais de 90% dos empresários defende alterações no IRS para mitigar efeitos da inflação – essencial para suportar o consumo privado. Empresas continuam a dar nota negativa ao sistema fiscal português e face à crise energética sinalizam como medidas prioritárias a descida do IRC e do IVA sobre todos os escalões de consumo de eletricidade consideradas.

OE2023: Conselho de Ministros extraordinário discute documento na terça-feira

O Governo discute em Conselho de Ministros extraordinário na terça-feira a proposta de Orçamento do Estado para 2023, numa reunião que marca o começo do processo de aprovação do documento, que é entregue ao parlamento na segunda-feira.

Mercado Automóvel em Portugal cai 34,7% até setembro

Apesar do mercado automóvel ter caído entre janeiro e setembro, foram matriculados mais 12,8% automóveis no mês passado do que em período homólogo de 2021.
Comentários