Brexit: Londres admite prosseguir negociações com UE sobre Irlanda do Norte em 2022

O Governo britânico admitiu esta quinta-feira que não chegará a um acordo com a União Europeia sobre o polémico Protocolo da Irlanda do Norte nas próximas duas semanas e espera continuar as negociações após o período de férias de dezembro.

O secretário de Estado para Relações Europeias, David Frost, disse hoje na Câmara dos Lordes (câmara alta do Parlamento) que o diálogo “continuará no próximo ano”.

“Estamos no meio de uma negociação que continua a cobrir uma ampla gama de questões e não acho provável que concluamos esse diálogo este ano, infelizmente”, explicou Frost.

O representante britânico reuniu-se na quarta-feira por videoconferência com o vice-presidente da Comissão Europeia para as Relações Institucionais, Maroš Šefčovič, e pretende fazê-lo novamente na sexta-feira.

Nos seus últimos contactos, registaram-se progressos “limitados” em termos de medidas para facilitar a passagem de medicamentos para a Irlanda do Norte, mas não foi alcançado um acordo definitivo a este respeito.

A União Europeia (UE), por sua vez, manifestou estar disposta a modificar a legislação comunitária para evitar atritos na circulação de medicamentos.

O diálogo, no entanto, permanece num impasse em questões fundamentais, como o papel do Tribunal de Justiça da União Europeia (TJEU) na região britânica e a aplicação das leis de subsídios estatais.

O Reino Unido mantém sobre a mesa a ameaça de ativar a cláusula do Protocolo para a Irlanda do Norte, o tão falado artigo 16.º, que permite deixar de aplicar algumas das suas disposições se considerar que criam demasiados problemas socioeconómicos.

Porém, depois de inicialmente ter dado o mês de novembro como prazo para chegar a um entendimento, decidiu prolongar o diálogo, alegando preferir uma “solução negociada”.

Recomendadas

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Antigo PM britânico David Cameron defende que países pobres desenvolvam energias fósseis

O antigo primeiro-ministro britânico David Cameron acusou hoje em Londres de “hipocrisia” a comunidade internacional por estar a pressionar países em desenvolvimento a não investir em combustíveis fósseis devido às alterações climáticas.

Tribunal russo proíbe movimento de protesto Vesná declarando-o extremista

Um tribunal russo declarou hoje como organização extremista o movimento Vesná (‘Primavera’), que organizou protestos em todo o país contra a mobilização parcial para combater na Ucrânia, decretada em setembro passado pelo Presidente Vladimir Putin.
Comentários