Brexit: Mais de sete mil empregos no sector financeiro saíram de Londres para o bloco europeu

O Banco de Inglaterra está a analisar a situação para evitar que os bancos em Londres fiquem com poucos quadros.

Mais de sete mil empregos no sector financeiro saíram de Londres para a União Europeia (UE) como consequência da saída da Grã-Bretanha do bloco europeu, o chamado Brexit. Este valor ainda assim é menor em 400 postos de trabalho que o previsto para dezembro, de acordo com os dados da consultora EY citados esta terça-feira pelo “The Guardian”.

Embora o total esteja abaixo dos 12.500 movimentos de emprego previstos pelas empresas em 2016, quando a Grã-Bretanha votou para deixar a UE, mais podem seguir-se, explicou a gigante da consultoria no seu mais recente relatório sobre o Brexit.

A EY adiantou que as novas contratações locais ligadas ao Brexit totalizaram 2.900 em toda a Europa e 2.500 na Grã-Bretanha, onde pouco mais de um milhão de pessoas trabalham no setor dos serviços financeiros.

O Banco de Inglaterra está a analisar a situação para evitar que os bancos em Londres fiquem com poucos quadros.

Segundo a EY, Paris obteve a maior pontuação em termos de atração de empregos de Londres, totalizando 2.800, seguida de Frankfurt em cerca de 1.800, e Dublin com 1.200.

A transferência de ativos de Londres para cidades da UE mantém-se em cerca de 1,3 biliões de libras (1,54 milhões de milhões de euros), adiantou a EY. Os banqueiros disseram, em privado, que a longo prazo, pode não fazer sentido comercial ter grandes centros em Londres e na UE.

Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

PRR, mesmo sem inflação, sofreria dos mesmos problemas

Execução da bazuca enfrentaria dificuldades com burocracia e mudanças na economia global, reforçando papel dos contabilistas.

Tecnologia torna “obsoletos” problemas dos contabilistas

No último ano, as empresas tecnológicas têm investido em soluções mais inovadoras para os gabinetes de contabilidade. A PHC Software e a Sage são exemplos, com novos ‘add-ons’ ou arquivos digitais.
Comentários