Brexit: saída sem acordo é risco para a segurança pública, alerta polícia britânica

A responsável da Metropolitan Police considerou que uma saída sem acordo poria em risco o acesso às bases de dados criminais da União Europeia e dificultaria a extradição de suspeitos do estrangeiro.

A responsável da Metropolitan Police, comissária Cressida Dick, alertou hoje para os custos e os efeitos potencialmente prejudiciais para a segurança pública de uma saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo.

Cressida Dick, que é dos mais graduados oficiais de polícia do país, considerou que uma saída sem acordo poria em risco o acesso às bases de dados criminais da União Europeia e dificultaria a extradição de suspeitos do estrangeiro.

“Seria muito difícil no curto prazo. Teríamos de substituir algumas das coisas que atualmente usamos em termos de acesso a bases de dados, bem como a forma como podemos extraditar e prender suspeitos rapidamente”, disse, citada pela comunicação social do Reino Unido.

Cressida Dick adiantou que será preciso substituir o acesso a essas bases de dados “o mais eficientemente possível”.

“Será indubitavelmente mais caro, mais moroso e aumentará potencialmente os riscos para a segurança pública”, acrescentou.

A responsável da Metropolitan Police disse ainda estar em conversações com as outras forças policiais na Europa sobre eventuais planos de contingência e manifestou a esperança de que seja possível ao Reino Unido implementar sistemas de combate ao crime como aqueles de que dispõe e a que tem acesso atualmente.

O acordo de saída da UE esteve para ser votado a 11 de dezembro, mas a primeira-ministra britânica, Theresa May, decidiu adiar o voto dada a elevada probabilidade de ser chumbado por uma “margem significativa” na Câmara dos Comuns.

Um novo debate no parlamento britânico sobre o acordo de ‘Brexit’ está agora previsto para começar a 09 de janeiro, estando a votação marcada para a semana de 14 a 18 de janeiro.

O Reino Unido deverá sair da União Europeia em 29 de março de 2019.

Depois do ‘Brexit’, o país deixará de ser membro das agências europeias Europol e Eurojust e do Sistema Europeu de Mandados de Detenção, que permite aos países membros acelerar a extradição de suspeitos e condenados.

O acordo sobre as relações futuras compromete os dois lados a estabeleceram planos recíprocos para tentar harmonizar a aplicação da lei e a cooperação judicial.

Relacionadas

Estas são as 30 maiores preocupações dos investidores para 2019

Para os analistas do Deutsche Bank Global Markets Research, os mercados poderão enfrentar estes 30 riscos no ano que está prestes a começar.

Indústria alemã vê no Brexit e em Trump os maiores riscos para crescimento económico

A economia alemã, a maior da Europa, deverá apresentar a sua menor taxa de crescimento dos últimos anos em 2018. Contudo, a maioria das previsões prevê uma sólida taxa de crescimento de cerca de 1,5% para o próximo ano.
Recomendadas

“Noto em Portugal uma cultura relojoeira cada vez mais robusta”

Enquanto administrador do Grupo Tempus, distribuidor exclusivo para Portugal de marcas de referência, David Kolinski tem a certeza de que as insígnias representadas pela sua empresa continuarão a saber surpreender os seus clientes com lançamentos e coleções inesperadas.

Covid-19. França não descarta regresso da máscara e apela à vacinação

O ministro francês da Saúde, François Braun, garantiu este domingo não descartar o regresso da obrigatoriedade do uso de máscara, face ao aumento do número de infetados por Covid-19, e apelou à vacinação.

A hora é agora!

Apesar da crise que afeta a Europa e os EUA, verifica-se uma procura crescente pela relojoaria de luxo, com listas de espera para modelos de diversas marcas.
Comentários