Brexit sem acordo é uma possibilidade cada vez maior, diz Boris Johnson

“Acho que precisamos de ser muito claros porque agora há uma forte possibilidade, uma grande possibilidade, de termos uma solução muito parecida com a relação australiana com a UE do que uma relação canadiense com a UE”, apontou Johnson, acrescentando que optar pela relação australiana não significa uma má escolha.

O primeiro-ministro britânico pediu para que os seus ministros se preparem para uma “forte possibilidade” de um não acordo do Brexit, revela o “The Guardian”. Boris Johnson teme que o Reino Unido fique “preso na órbita da União Europeia” caso seja estabelecido um acordo que não favoreça o país.

Por estar empenhado a atingir um acordo, Boris Johnson comprometeu-se a “ir mais longe”, seja a Paris, Bruxelas ou Berlim, para realizar negociações pessoais com os líderes europeus. Esta declaração aconteceu um dia depois do jantar de negociações com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que notou ainda mais as diferenças entre as duas partes.

“Acho que precisamos de ser muito claros porque agora há uma forte possibilidade, uma grande possibilidade, de termos uma solução muito parecida com a relação australiana com a UE do que uma relação canadiense com a UE”, apontou Johnson, acrescentando que optar pela relação australiana não significa uma má escolha.

Para Boris Johnson, a oferta da União Europeia que se encontra em cima da mesa é inaceitável, uma vez que o Reino Unido não pode ser tratado como o irmão gémeo da União Europeia. “Foi-me dito que esta é uma situação em que o Reino Unido é um gémeo e a União Europeia outro. Se a União Europeia decide cortar o cabelo, o Reino Unido também tem de cortar ou enfrenta uma punição. Ou se a União Europeia decide comprar uma mala cara, então o Reino Unido também tem de comprar a mesma mala ou enfrenta tarifas”, explicou o primeiro-ministro britânico.

Boris Johnson tem até domingo para tentar encontrar um acordo com que esteja satisfeito e que satisfaça as medidas comerciais do Reino Unido, ou arrisca-se a abandonar o bloco dos 27 sem qualquer acordo comercial. O acordo ao estilo australiano, já referido pelo primeiro-ministro por várias vezes, significa que as trocas comerciais podem continuar mas que os bens são taxados.

Com graves repercussões económicas para o país de Sua Majestade, a União Europeia apresentou o seu próprio plano de contingência no caso de não existir acordo, ajudando a que a decisão de Boris Johnson seja mais fácil. No plano de contingência, Ursula von der Leyen permite que o Reino Unido opere voos no território europeu e mantenha as estradas abertas, desde que o Reino Unido colabore também.

Relacionadas

Turistas britânicos podem ficar proibidos de entrar na União Europeia a 1 de janeiro

“O Reino Unido não é parte do espaço Schengen e, com o fim do período de transição, vai deixar de ser tratado como se fosse um Estado-membro”, apontou um funcionário da Comissão Europeia à “CNN”. Em causa estão os planos anti-Covid.

Impasse com Reino Unido perdura e Bruxelas antecipa cenário de ‘no-deal’ para o pós-Brexit

Como não há acordo à vista entre Londres e Bruxelas, o executivo comunitário propôs esta quinta-feira medidas de contingência que assegurem ligações aéreas, a segurança aérea, as ligações rodoviárias e a manutenção do acesso às águas britânicas para os navios pesqueiros da UE e vice-versa. 

Brexit: Reino Unido dá até domingo para UE ceder em questões concorrenciais e pescas ou abandona negociações

Os britânicos querem ver cedências significativas por parte dos europeus nas matérias que têm travado o progresso das negociações, como a política de pescas e a concorrencial, que constituem matérias de princípio depois do voto pela saída da UE.

Decisão sobre negociações do Brexit terá de ser tomada até domingo, diz presidente da Comissão Europeia

“Concordámos que as nossas equipas de negociação deveriam reencontrar-se imediatamente de maneira a resolver as questões essenciais. Chegaremos a uma decisão até ao final do fim de semana”, disse Ursula von der Leyen depois de um jantar de três horas com Boris Johnson.

Boris Johnson garante que nenhum primeiro-ministro aceitaria exigências da União Europeia

“Em segundo lugar, eles dizem que o Reino Unido deveria ser o único país do mundo a não ter o controlo soberano sobre as suas águas pesqueiras. E não acredito que estes sejam termos que qualquer primeiro-ministro deste país deva aceitar”. 

Brexit: Reino Unido retira cláusulas que anulavam parte do acordo de saída da UE

O comité misto União Europeia (UE)-Reino Unido anunciou hoje um acordo de princípio para a implementação da saída da UE, que prevê a retirada das cláusulas controversas de uma proposta de lei que anulava partes do entendimento.
Recomendadas

Ucrânia. EUA anunciam novo pacote de 627,3 milhões de euros em ajuda militar a Kiev

O presidente norte-americano, Joe Biden, informou hoje o seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, da concessão de um novo pacote de ajuda militar de 625 milhões de dólares (627,3 milhões de euros).

Governo acompanha caso de portuguesa encontrada morta em França

O Ministério dos Negócios Estrangeiros português anunciou hoje que os consulados gerais de Estrasburgo e do Luxemburgo estão a acompanhar “com especial atenção” o caso de uma portuguesa encontrada morta em França.

Japão, EUA e NATO condenam disparo de míssil norte-coreano

Estados Unidos, Japão e NATO condenaram hoje o disparo pela Coreia do Norte de um míssil balístico sobre o Japão, comprometendo-se a coordenar uma resposta multilateral à provocação do regime do presidente Kim Jong-un.
Comentários