Brexit: UE e Reino Unido retomam conversações a três semanas do prazo final para um acordo

As dificuldades na obtenção de um acordo não impedem ambas as partes de tentarem a obtenção do mesmo até ao final do prazo previsto para o efeito, que chega no final deste ano. As questões concorrenciais e das pescas continuam a ser o principal obstáculo.

A União Europeia e o Reino Unido retomaram as conversações com vista a um acordo comercial pós-Brexit, noticia a BBC. Apesar da proximidade da data final para a obtenção do mesmo, representantes britânicos expressaram esperança e dizem que continuarão a trabalhar neste sentido enquanto houver tempo.

Ainda que a grande maioria de tópicos a abordar no acordo em questão esteja já resolvida, a questão das pescas e da concorrência permanecem os grandes entraves a ultrapassar. No primeiro assunto, os europeus recusam conceder aos pescadores britânicos condições especiais no mercado único caso o Reino Unido não garanta acesso da frota europeia às suas águas.

Em termos concorrenciais, a UE quer ver Londres aderir às suas regras de proteção laboral, ambiental e de ajudas de Estado, sendo que os britânicos alegam que um dos principais motivos para o Brexit se prendeu precisamente com a vontade de reaver a soberania em questões como estas.

Assim, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, deverá falar por telefone com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, esta segunda-feira. Também as equipas de negociadores se reúnem novamente no mesmo dia, quando faltam 21 dias para que, à falta de um acordo, os dois espaços económicos reinstituam tarifas fronteiriças entre ambos.

Recomendadas

PremiumIdade da reforma deverá voltar a subir, depois do impacto da covid-19

A pandemia provocou um recuo inédito da idade da reforma em Portugal, mas esta deverá voltar a crescer, nos próximos anos, à medida que se atenuam os efeitos da covid na esperança de vida.

Pfizer regista um lucro anual em 2022 de 31,4 mil milhões de dólares

A farmacêutica registou aumentos nos lucros e nas receitas, mas espera que em 2023 haja uma quebra da faturação, devido à diminuição nas vendas de vacinas e medicamentos contra a Covid-19.

Reabertura “caótica” da China “difícil de digerir” para residentes em Shenzhen

O súbito fim da política de ‘zero casos’, sem anúncio antecipado ou preparação do sistema de saúde, deixou famílias a lutar pela sobrevivência dos membros mais idosos, à medida que uma vaga de infeções inundou os hospitais e crematórios do país.
Comentários