BRICS reúnem-se em cimeira marcada por ambições da China e Rússia

China e Rússia defendem abertamente a construção de uma nova ordem mundial. A aliança estratégica foi reafirmada recentemente pelos líderes chinês e russo, Xi Jinping e Vladimir Putin, respetivamente, durante uma conversa por telefone, realizada na semana passada.

O bloco de grandes economias emergentes BRICS reúne-se na quinta-feira, numa altura em que China e Rússia tentam alargar o grupo, visando aumentar a sua influência política, em contraste com a posição mais cautelosa do Brasil e Índia.

A China e Rússia defendem abertamente a construção de uma nova ordem mundial. A aliança estratégica foi reafirmada recentemente pelos líderes chinês e russo, Xi Jinping e Vladimir Putin, respetivamente, durante uma conversa por telefone, realizada na semana passada.

“A Rússia e a China estão mais alinhadas hoje do que em qualquer outro momento desde o fim da Guerra Fria”, apontou Minxin Pei, especialista sino-norte-americano em assuntos de governação da China.

O relacionamento começou como um “casamento de conveniência”, mas à medida que as relações entre os dois países e o Ocidente se tornaram mais hostis, Pequim e Washington entenderam que “apenas um alinhamento estratégico próximo pode reduzir a sua vulnerabilidade mútua”, descreveu.

O bloco BRICS ganhou expressão em 2001, quando o economista Jim O’Neill, da Goldman Sachs, publicou um estudo intitulado “Building Better Global Economic BRICs”, sobre as grandes economias emergentes.

O grupo reuniu-se pela primeira vez em 2009 e logo estabeleceu uma agenda focada na reforma da ordem internacional, visando maior protagonismo dos países emergentes em organizações como as Nações Unidas, o Banco Mundial ou o Fundo Monetário Internacional. O bloco passou a incluir a África do Sul no ano seguinte.

Na visão de Pequim e Moscovo, a ascensão dos BRICS ilustra a emergência de “um mundo multipolar”, expressão que concentra a persistente oposição dos dois países ao “hegemonismo” ocidental, e em particular dos Estados Unidos.

Em entrevista à agência Lusa, o embaixador do Brasil em Pequim, Paulo Estivallet de Mesquita, considerou, porém, que “é preciso ser realista quanto à capacidade de atuação política” conjunta do BRICS.

“O BRICS não é uma aliança política para atuar na ONU ou onde quer que seja. Como atuação política no cenário internacional há limites no que pode ser feito”, afirmou o diplomata.

O bloco é composto por países com “circunstâncias bastante diferentes”, acrescentou.

Também a Índia parece discordar com os objetivos estratégicos definidos pela China e Rússia.

Disputas fronteiriças e a luta pela influência no Indo-Pacífico colocaram Nova Deli numa posição de crescente antagonismo face a Pequim, aproximando o país dos Estados Unidos.

A China, que ocupa a presidência rotativa do bloco este ano, disse na semana passada que apoia ativamente a expansão do grupo, um dia após o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, ter dito que Arábia Saudita e Argentina querem integrar o bloco.

Os dois países são membros do grupo de países G20. A sua inclusão no BRICS serviria assim para aumentar o perfil do bloco, face ao G7, que reúne as sete maiores economias do mundo.

“A China, apoiada pela Rússia, está a acelerar o processo de expansão dos BRICS, como parte do desafio estratégico à ordem internacional e de reunir potências médias ao seu redor”, escreve Gurjit Singh, antigo embaixador da Índia na Alemanha, Indonésia ou União Africana.

“A Índia deve assegurar que a expansão não é feita nos termos chineses e que os países admitidos são igualmente recetivos à Índia”, acrescentou.

 

Recomendadas

Bruxelas prepara plano de emergência para precaver corte total de gás russo

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, anunciou hoje perante o Parlamento Europeu que o seu executivo vai apresentar este mês um plano de emergência europeu para precaver um eventual corte total de fornecimento de gás russo.

“Sarrabulhada” governativa na ementa do Congresso do PSD. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes” de Rui Calafate

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Boris Jonhson nomeia novos ministros para as Finanças e Saúde depois de demissões (com áudio)

Os ministros de saída demitiram-se na terça-feira alegando perda de confiança no primeiro-ministro britânico.
Comentários