Especial 2018: Brilho de 2017 continua depois das 12 badaladas?

O índice nacional vai prolongar os ganhos no Ano Novo, segundo os analistas. No entanto, a desaceleração da economia pode ser um entrave.

John Gress/Reuters

Os investidores em ações portuguesas vão continuar a ter razões para sorrir em 2018. Após um ano de ganhos, a Bolsa de Lisboa poderá subir até 15%, estimam os analistas, e igualar a valorização de 2017.

Tal como no ano que termina, os principais motores deverão ser o crescimento económico global, a que Portugal não escapa, e o reforço da confiança de investidores e agências de rating. “2017 representou uma recuperação da evolução dos resultados das empresas na Europa que registou o ritmo mais elevados dos últimos quatro ou cinco anos”, explicou João Queiroz, diretor da banca online do Banco Carregosa, que antecipa que o índice termine o próximo ano num intervalo entre 5.250 e 6.150 pontos.

“Embora para 2018 exista uma maior probabilidade de abrandamento, a evolução das variáveis macroeconómicas e da conjuntura global ainda podem ser consistentes com crescimentos entre 10% e 15% o que se refletiria nas cotações”, afirmou.

O desempenho da economia nacional e a execução orçamental levaram, em 2017, à subida do rating de Portugal por duas agências de notação financeira. Depois da Standard and Poor’s e da Fitch, a Moody’s deverá seguir os passos das pares em 2018, sendo que a equipa de research do BiG – Banco de Investimento Global considera o risco soberano como um fator fundamental para as cotadas portuguesas. “O setor financeiro é o mais exposto a este risco devido á exposição que tem a activos soberanos. Nesta altura a nossa perspetiva é relativamente positiva neste campo”, referiu. Adiantou que os fatores que têm ajudado ao momento favorável do país deverão persistir.
“Não obstante, pensamos que este quadro macroeconómico amplamente favorável a Portugal já estará em grande parte descontado nos preços atuais, pelo que dificilmente o índice PSI-20 ostentará uma outperformance similar ao que apresentou em relação aos pares europeus em 2017”, acrescentou, apontando que o PSI 20 valorize entre 7% e 15%, em 2018.

Filipe Garcia, economista e presidente da IMF – Informação de Mercados Financeiros, que vê o índice a subir para os 5.750 pontos, lembra também que o ciclo de crescimento já dura há vários anos, considerando que “uma recessão nos próximos 12 a 36 meses é praticamente inevitável”.

Além do risco de desaceleração do crescimento económico, a zona euro vai ainda ter de lidar as alterações de política monetária pelo Banco Central Europeu. “Muitos analistas consideram que a subida generalizada dos preços dos ativos se deveu às políticas monetárias expansionistas, pelo que será interessante analisar como os mercados vão reagir à reversão – ainda que gradual – desses estímulos”, acrescenta Garcia.

Os analistas são consensuais que a política orçamental portuguesa deverá conseguir resistir a potenciais choques em 2018, mas sublinham que o PSI 20 continua a ter outras fragilidades. O índice continua a não ter o número de cotadas que lhe dá nome e luta por manter o interesse de empresas e investidores.

“Infelizmente não existe uma grande representatividade do setor que mais contribui atualmente para o crescimento interno (turismo), ainda assim acreditamos numa boa performance do índice PSI20”, sublinhou Francisco Veiga, gestor de portefólio da Orey iTrade, prevendo que a Bolsa de Lisboa ganhe 10% para 5.900 pontos, nos próximos 12 meses.

Relacionadas

Especial 2018: Haverá mudanças de liderança nas grandes empresas?

O novo ano começa com a possibilidade de mudanças de liderança em várias grandes empresas cotadas nacionais. Destacamos três: a EDP, o Novo Banco e os CTT.

Ano Novo traz maior poder de compra aos portugueses

As famílias, especialmente as mais pobres, poderão sentir um pequeno aumento no rendimento disponível, mas divergência face aos restantes países da zona euro preocupa o fiscalista António Pedro Braga.

Especial 2018: A Coreia do Norte vai continuar a ser um problema internacional?

Tudo indica que sim, que o país liderado por Kim Jong-Un continuará a ser um polo de tensão no sistema internacional, que será obrigado a concertar respostas à pressão belicista da Coreia do Norte e ao risco que constitui um Estado pária com acesso a armamento nuclear.
Recomendadas

PSI segue sessão em terreno negativo. Jerónimo Martins perde mais de 4%

As principais bolsas europeias também encontram-se todas no ‘vermelho’, com o IBEX 35 (Espanha) a desvalorizar 1,38%, o CAC 40 (França) a perder 1,14%, o DAX (Alemanha) a cair 1,12% e o FTSE 100 (Reino Unido) a recuar 0,79%.

Maior IPO da década. Ações da Porsche vendidas no topo do intervalo (com áudio)

A Volkswagen vendeu 911 milhões de ações (12,5% do capital) da Porsche no topo do intervalo pré-definido (82,5 euros), tirando partido da forte procura dos investidores. A Volkswagen encaixou ao todo 9.400 milhões de euros, com a dispersão em bolsa, o que lhe dá o estatuto de maior negócio de ações europeu.

Euribor inverte tendência e cai a três, seis e 12 meses

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno positivo em 6 de junho, recuou hoje, pela segunda sessão desde 9 de setembro, para 1,800%, menos 0,058 pontos, depois de ter subido na quarta-feira até 1,858%, um máximo desde janeiro de 2009.
Comentários