Bruno Fialho recua na candidatura a Presidente da República

Bruno Fialho garantiu que se avançasse com a candidatura “não iria sentir-me bem comigo próprio porque não sou político profissional”.

RODRIGO ANTUNES/LUSA

O presidente do Partido Democrático Republicano (PDR), Bruno Fialho anunciou este sábado que recuou na sua candidatura à presidência da República apesar de ter reunido as assinaturas suficientes.

“Em julho quando apresentei a minha intenção de candidatar à presidência da República não julgava ser possível que estivéssemos ainda a passar por esta situação de pandemia e principalmente de catástrofe económica da qual não sabemos quando iremos terminar”, referiu Bruno Fialho

Em entrevista à RTP, o presidente do PDR garantiu que se avançasse com a candidatura “não iria sentir-me bem comigo próprio porque não sou politico profissional”. “Portanto, sou um cidadão que entrou na política para tentar fazer algo diferente e para tentar criar de novo alguma dignidade e principio à politica”, completou.

Apesar da desistência, Bruno Fialho assegurou que “foram mais de 7500 [assinaturas recolhidas] porque estávamos a receber mais do que as necessárias porque convém apresentar um mínimo de 9 mil porque há sempre equívocos na recolha das mesmas”.

“Temo desiludir as pessoas que se voluntariaram e estiveram a apoiar-me nestes últimos meses, mas mais do que desiludir estas pessoas eu ficaria mal em desiludir os meus dois filhos que num futuro próximo iriam andar a questionar porque razão eu andei a fazer uma campanha eleitoral quando havia portugueses a passar dificuldades”.

 

Relacionadas

RIR, PDR e Nós, Cidadãos anunciam coligação Alternativa Democrática para as autárquicas de 2021

Partido de Vitorino Silva, mais conhecido por “Tino de Rans”, integra uma coligação que se apresenta como a resposta a uma conjuntura em que PS e PSD “tentam reduzir cada vez mais a possibilidade dos restantes partidos e até dos cidadãos se fazerem ouvir”.

António Marinho e Pinto é mandatário de Bruno Fialho às presidenciais

António Marinho e Pinto garantiu que um dos motivos que o levou a aceitar a proposta foi a perceção de que “seria a primeira vez, após a eleição do General Ramalho Eanes, que teríamos um Presidente que não vive da política ou que não veio das ‘jotinhas’ para chegar onde está”.
Recomendadas

Ministro da Saúde inicia processo de dissolução de consultora

Manuel Pizarro já iniciou o processo de dissolução da Manuel Pizarro-Consultoria e reconhece incompatibilidade.

OE2023: Conselho de Ministros extraordinário discute documento na terça-feira

O Governo discute em Conselho de Ministros extraordinário na terça-feira a proposta de Orçamento do Estado para 2023, numa reunião que marca o começo do processo de aprovação do documento, que é entregue ao parlamento na segunda-feira.

Governo avisa federação russa em Portugal: “UE adotará medidas restritivas adicionais” devido a anexação de regiões ucranianas

O Ministério dos Negócios Estrangeiros garante que a UE “continuará a apoiar a integridade territorial e a soberania da Ucrânia”, posição que demonstrou, esta segunda-feira, durante reunião com o embaixador da Federação Russa.
Comentários